AS FEIRAS NO ALGARVE RESISTEM AOS SÉCULOS…

As Feiras que ainda se realizam em Portugal e são muitas, remontam a muitos séculos de história.

No nosso Algarve ainda vão resistindo nas principais cidades da província. De Vila Real de Stº António a Lagos é durante o meses de Outubro e Novembro que a maioria se efectuam. Por exemplo na cidade de Silves que no tempo da moirama foi capital do Algarve, ainda mantem a sua Feira de Todos os Santos que se realiza desde 1492, tendo Silves recebido a “ Carta de Feira pelo Rei D. João II.

Desta vez fizemos uma visita à Feira de S. Martinho em Portimão, que é o mais antigo evento popular da cidade. Remonta ao ano de 1662, realizando-se anualmente em 11 de Novembro, mais precisamente no Dia de S. Martinho.

Ao longo dos anos estas Feiras têm vindo a sofrer algumas transformações como é natural. As velhas barracas de brinquedos que eram em tempo às dezenas estão hoje reduzidas ao mínimo. Mas os frutos secos do Algarve, as filhozes, a venda de vestuário para o inverno continuam com grande procura. Quanto ao divertimento, os carroceis, as pistas de carrinhos eléctricos, aviões e outras, são agora muito mais vistosas e alegram os olhos das crianças e adultos que os procuram a todo o momento.

Enfim, as velhas feiras algarvias vão sobrevivendo a tudo o que é mais moderno o que no fundo demonstra que o público continua a apreciar este tipo de evento que para muitos terão os dias contados. Alguma vez será. Entretanto que o Algarve de lés a lés, vá em cada ano revivendo estas festividades tão antigas e que conseguiram já ultrapassar muitos séculos de existência..

A.C.

Duas Fotos antigas: Google

Fotos da Feira de Portimão : José Costa

MÊS DE TODOS OS SANTOS

Grande parte de nós, principalmente os que frequentaram a catequese da Igreja Católica, recorda-se certamente dos «santinhos» que eram oferecidos ou pelas catequistas ou pelo Prior da freguesia que frequentávamos nesses tempos, várias vezes por semana ou por mês .

Os santinhos são retângulos de papel cujas faces comportam, de um lado, uma imagem de santo (ou santa, ou santos), e, do outro, textos em que se combinam preces e prescrições para utilizá-las corretamente, detalhes da vida do santo, propaganda da gráfica que imprime o material, etc

Deixamos-vos aqui algumas imagens das milhares que foram impressas ao longo de muitos anos e que fazem parte de uma colecção particular de mais de mil desses «Santinhos»

Mas para melhor compreensão deste fenómeno que ao longo de tantos anos fez e faz parte do universo religioso de cada um de nós, aqui fica um artigo bem interessante e completo de autoria de Renata de Castro Menezes

( http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832011000200003 )

A.C.

Fotos de José Costa