SERENATAS DE COIMBRA

Sabe-se, que pelo menos, desde o século XVI, era hábito os estudantes de Coimbra cantarem e tocarem, noite dentro, pelas ruas da cidade. Prova factual é a missiva que o rei D. João III envia ao então reitor da Universidade, a 20 de Junho de 1539, dando conta da necessidade em se pôr fim à algazarra e às cantorias que os estudantes faziam até altas horas da noite, já que eram muitas as queixas dos habitantes da velha urbe. Se seria um Canto Serenil (única e exclusivamente de cortejamento por uma mulher), não o podemos, seguramente, afirmar; mas que era um canto de rua, disso não restam dúvidas.
Sabe-se, também, que no ambiente académico do século XVIII, os estudantes cantavam miles trovas, e que, na Coimbra daquele tempo, era hábito cantarem-se canções de amor e cantigas populares, reflexo de um salutar intercâmbio entre o duplo filão desta Canção que, e muito bem, chegou aos nossos dias.

 

Jorge Cravo

********************************************************************************

 

PASSARINHO DA RIBEIRA
…………………………………………
Passarinho da ribeira
Se não és meu inimigo
Empresta-me as tuas asas
Deixa-me ir voar contigo
…………………………………………
Ao longe cortando espaço
Vai um bando de andorinhas
Que te levam um abraço
E muitas saudades minhas

FADO SEPÚLVEDA

Dizem que amar é viver
Mas mesmo morte que fosse
Que me importava morrer
Pois se o amar é tão doce
………………………………………..
Se os meus olhos te incomodam
Quando estão à tua frente
Eu prefiro arrancá-los
Para te amar cegamente

FADO DE SANTA CLARA

Eu ouvi de Santa Clara
Gemidos de alguém que chora
Era a Rainha pedindo
Por mim a Nossa Senhora
………………………………………….
Aos pés de Nossa Senhora
Rezando pedi-lhe um dia
Que não rezasse chorando
Que os anjos entristeciam
…………………………………………..

 

Letras de fados de Coimbra in “O canto e a música de Coimbra”

Fotografia: Cartaz de autoria do pintor José Maria Oliveira por ocasião de uma Serenata de Coimbra realizada no Monumento a Duarte Pacheco – Loulé – Década de 80

10 comentários a “SERENATAS DE COIMBRA

  1. Sempre gostei do fado de… Coimbra é uma lição, de sonho e tradição,rsss.
    Bem Esgalhado este cartaz do Zé Maria! Inté L.F.

  2. É verdade Luís, encontrei nos meus arquivos este cartaz de autoria do José Maria Oliveira e que achei interessante. Depois também há o fado de Coimbra de que sou apreciador desde os tempos em que na Barbearia do meu pai havia alguns intérpretes desta modalidade de fado. Daqui a pouco passarei pela sua página do FB. Abraço – Palma

  3. Belas são as serenatas de Coimbra. Infelizmente vão desaparecendo para dar lugar a outros estilos de musica que não nos deixam sossegar nem adormecer calmamente. Bom post e bom cartaz do pintor Oliveira.

  4. Jose Maria Oliveira fez coisas interessantes enquanto trabalhou em Loulé. Desde exposições, cartazes, postais, anuncios de espectáculos acho que a CM perdeu quando da sua ida para Faro, um grande funcionário. Jota Kapa

  5. Uma música pouco escutada nas rádios e nas televisões. Porque será? Será que a música pimba pode ocupar esses espaço ? Jamais.
    Estudantina

  6. posso garantir que durante os anos de 55 a 62 fiz dezenas de serenatas de rua em coimbra ! barros madeira

  7. E certamente tem muitas saudades de todas elas. Será que isso se perdeu? Nunca mais ouvi falar de serenatas a não ser pela Queima das Fitas.

  8. Uma saudação de um admirador do médico e cantor João Barros Madeira que foi estudante na Universidade de Coimbra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.