ABRIL… tempo de recordar outros tempos

Falso Pide

Esta fotografia é, das que foram tiradas nos dias imediatos à Revolução, das que mais equívocos tem alimentado – encontra-se com alguma facilidade em jornais e um pouco por toda a parte na net  sempre que se pretende ilustrar a prisão de um agente da polícia política na sequência da revolução de Abril de 1974.

Acontece que o indivíduo que aparece na fotografia com as armas apontadas suspeitando-se ser da PIDE afinal não era. É de Setúbal e tratou-se de um engano e de um enorme susto (para ele, claro).Nem toda a gente sabe que esta foto não corresponde à verdade. Assim fica dito, para “memória futura”, como agora se usa.

 

 

Os nossos agradecimentos a José Vilhena Moreira – Blog Memória com História

 

6 comentários a “ABRIL… tempo de recordar outros tempos

  1. Deve ter sido um bom susto. Mas é justo que se diga que o homem nada tinha a ver com a terrível policia politica do ditador Salazar. Bolas, há erros que não esquecem.

  2. Esta é uma fotografia bem dolorosa para quem injustamente foi apontado com espingarda. Bolas!

  3. A Pide foi uma força politica terrível para o nosso pequeno país. Não pode ser esquecida. Esperemos que não se repita. Os tempos estão de feição para gente como essa. O Diabo seja surdo e mudo.

  4. É bom lembrar o que foi a Pide para que não apreça para aí coisa parecida.

  5. Os Vampiros
    Zeca Afonso

    No céu cinzento sob o astro mudo
    Batendo as asas pela noite calada

    Vêm em bandos com pés de veludo
    Chupar o sangue fresco da manada
    Se alguém se engana com seu ar sisudo
    E lhes franqueia as portas à chegada
    Eles comem tudo eles comem tudo
    Eles comem tudo e não deixam nada [bis]

    A toda a parte chegam os vampiros
    Poisam nos prédios poisam nas calçadas
    Trazem no ventre despojos antigos
    Mas nada os prende às vidas acabadas

    São os mordomos do universo todo
    Senhores à força mandadores sem lei
    Enchem as tulhas bebem vinho novo
    Dançam a ronda no pinhal do rei

    Eles comem tudo eles comem tudo
    Eles comem tudo e não deixam nada

    No chão do medo tombam os vencidos
    Ouvem-se os gritos na noite abafada
    Jazem nos fossos vítimas dum credo
    E não se esgota o sangue da manada

    Se alguém se engana com seu ar sisudo
    E lhe franqueia as portas à chegada
    Eles comem tudo eles comem tudo
    Eles comem tudo e não deixam nada

    Eles comem tudo eles comem tudo
    Eles comem tudo e não deixam nada

  6. Viva o 25 de Abril. Abaixo todos os os que nos fizeram sofrer durante décadas. Não os esqueceremos. Bandidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *