Admir um nosso antepassado

´Há dias atrás, conversando com o nosso caro amigo António Almeida, do Blog louletano

“ Sebastião” , surgiu a pergunta sobre o resultado das análises feitas a Admir , um nosso antepassado cujas ossadas foram encontradas em escavações arqueólogicas efectuadas em 2007 na Casa das Bicas, pela equipa do sector de Arqueologia do Arquivo Histórico de Loulé. Enviadas para Coimbra para serem estudadas por peritos especializados nesta matéria, ficámos a saber que por enquanto não foi ainda recebido qualquer relatório relativo ao mesmo, esperando-se que num futo próximo, algo mais se saiba sobre Admir, o nome porque foi carinhosamente baptizado, pela equipa que descobriu este nosso antepassado.

Do Blog “ Sebastião “ num post de 2007, transcrevemos o que António Almeida descrevia na altura, sobre este importante achado :

“Os louletanos devem ser orgulhosos do seu passado.” Afirmei isto há meses! Discutiam-se, então, as verbas consideráveis ao dispôr do executivo Camarário que o situam entre os mais ricos do País. Lancei, então, desafios ao adequado investimento nas potencialidades do Concelho que o valorizem no contexto nacional. O rico, mas descuidado, Património Histórico está nestes dias a surgir à luz do dia no seu mais expressivo potencial e, logo onde, não se esperava… Loulé está a surpreender muitos, mesmo eminentes estudiosos vão ter que rever convicções!

Dessas descobertas recentes, vamos aqui dar conta, contribuindo para o seu apreço e defesa. Uma imagem do início da remoção do Admir, provavelmente as mais velhas ossadas encontradas e que poderão corresponder a um jovem mouro acidentado e esquecido… vestígios de tempos anteriores à presença cristã em Loulé. “

Foto : António Almeida

14 comentários a “Admir um nosso antepassado

  1. Caro Luís Furtado: Nada de assustar…. pois somos mesmo assim..rss.\\ Respondendo ao seu comentário do post anterior é com satisfação que informo que vou proceder amanhã à marcação dos seus quartinhos virados para a Ribeira que nesta altura, por ser Primavera está rodeada de muitas florinhas campestres. E depois, a Pensão tem águas correntes, quentes e frias embora as quentes sejam aquecidas em fogão a lenha o que aliás proporciona um quentinho mais «caseiro». Até mais tarde. Palma

  2. Que dentadura fantástica que o tempo não conseguiu corroer. Quem teria sido realmente ?

  3. Aquilo que sempre me inquietou, pensando nesta vida do Admir, é o não conseguir entender como se pode morrer em consequência de uma queda e ficar esquecido no exterior da Muralha sem que, o odor da decomposição ou ataques de animais, alertasse para a presença do corpo morto!
    Acreditem, mas na verdade, o infeliz Admir que nem 20 anos teria no dia fatal, nunca foi sepultado e foi encontrado integro, apenas tinha o maxilar inferior rachado e a cervical encurvada! Como foi isso possível? Mais: estava debruçado sobre um tanque que devia ter àgua… E isto recorda as Lendas dos Moiros Encantados!
    A forma do maxilar inferior não deixa dúvidas sobre a sua moirama…
    Pronto Palma; é o que me ocorreu dizer sobre este Admir, por agora. Talvez, mais tarde, possa responder a algumas perguntas que sejam colocadas.
    Quero esclarecer que a equipa de Arqueologia pertende ao Museu Municipal e fazem parte da Divisão de Cultura e Património Histórico, sendo o Arquivo Histórico Municipal independente delas (e apenas documental); não sendo um erro grave, mas possuindo chefes de divisão diferentes, deveria ser corrigido o texto para se “dar o seu a seu dono”!

  4. Interessante esta pequena história de um antepassado que nos deixa curiosos mas que jamais saberemos quem foi mesmo com os exames que se lhe possam fazer. às vezes debaixo de uma pedra sai um lagarto neste caso certamente um mouro jovem que viveu nestas terras louletanas quando o quarto crescente era a bandeira que esvoaçava sobre os céus algarvios. É verdade que ali existiram uns banhos árabes ? Ou foi apenas um parecer de ocasião ? Obrigado por esta vossa história bem real. Nini

  5. Nini; as questões que coloca deveriam ter uma resposta autorizada produzida por responsáveis na área da arqueologia islâmica. Mas, neste forum ligeiro e não científico pode um voluntário sem pretensões a catedra dar umas respostas sem medo de errar, será nesse plano que responderei aquilo em que acredito. Na Casa das Bicas existem na verdade Banhos Islâmicos! Aquilo que foi encontrado até ao presente, e está visível, é coerente com a estrutura e compartimentações dos banhos conhecidos em Marrocos e em Espanha. Por razões diferentes acabam por ser os únicos visitáveis em Portugal no momento. Os que foram encontrados em Lisboa, sob a Sé Patriarcal, estavam muito amputados já e foram “cheios”. Muitas terras de reconhecida presença islâmica, como Silves ou Mértola, gostariam de encontrar os seus; e têm-nos, de certeza mas não sabem onde!
    É, com muito espanto que se verifica que em Loulé não se tenha dado o valor merecido a tão importante e demonstrativo património. Foi isso que espantou a Dra Salima Ikram, importante referência no estudo da cultura e história islâmicas (não apenas egípcia), docente da Universidade Americana do Cairo que há dias nos visitou e não teve qualquer dúvida em identificar aquilo que esteve vendo e aos acompanhantes felicitou pelo notável achado!

  6. Snr. Professor Almeida pelo que ouvi dizer a ilustre Drª Salima Ikram que esteve há dias entre nós parece ter passado quase sem se dar por ela. É engraçado que qualquer cerebrozinho pequeno que às vezes por cá debita meia dúzia de lugares comuns tem honras de Boas Vindas à Jet Set e com esta Senhora parece-me que dois ou três funcionários de Arqueologia é que apareceram. Mas por aqui acontecem às vezes coisas do arco do mouro…
    Safir

  7. O que me fascina nestas coisas de que não entendo quase nada é o mistério que está por detrás deste ilustre desconhecido que após centenas de anos vem à luz do dia sem que saibamos nunca quem foi. A avaliar pela sua dentadura seria naturalmente pessoa nova e certamente de alimentação pouco açucarada. Mas os técnicos mais dirão . Aguardemos notícias do nosso Admir.

  8. Meus amigos: Obrigado por participarem neste pequenino debate sobre o nosso antepassado Admir. E na verdade o Professor Almeida do Blog Sebastião é a pessoa indicada para dar mais informações sobre o achado arqueológico em questão. No entanto a Sala está aberta a quem dela se quiser servir para dizer de sua justiça. Obrigado – Palma

  9. Quanto ao Admir, ele próprio, fazendo nós o esforço de recuar 8 séculos, poderia estar na sua ronda de vigia sobre a Torre da “Porta de Silves” que seria contígua aos banhos e ter sido alvejado por uma lança ou seta (a ponta metálica foi encontrada junto das costelas no alto ventre) e daí ter tombado para fora do Castelo… por grande azar dele colidiu no bordo do tanque aí existente fracturando o pescoço e o maxilar inferior.
    Como achador, apadrinhei-o e acompanhá-lo-ei, por agora além de comprovar o inúmeros vestígios de golpes nos ossos dos seus dedos que confirmam tratar-se de guerreiro, pouco mais sei!
    Contudo acredito que a sua passagem por Loulé remonta a tempos de domínio islâmico, anteriores à tomada por Dom Paio Peres Correia. Sabendo nós que existiram várias tentativas anteriores fracassadas não custa admitir uma fuga para organizar resposta e, numa situação dessas, compreenderei não ter sido resgatado e sepultado este infeliz soldado.

  10. Acho que tem lógica o raciocínio do nosso Professor Almeida, embora não se tenham lido ou escutado outras versões. E é pena porque da discussão nasce a luz. Admir um nosso antepassado que viveu na nossa terra há oito séculos merece a nossa atenção e por que não, a nossa simpatia. É incrível como está conservada a sua dentição. \\\ Já agora quantas pessoas estiveram a trabalhar nestas escavações da Casa das Bicas ? Parece-me justo que se fale delas para que conste neste post.

  11. Bom dia Palma; amanhã estarei por aí para desvendar o mistério do já famoso Admir… levarei a história do Jamil, (entre outras), cantada pelo Emar que deve ser idêntica e fica tudo esclarecido,rsrs. 11 chegarão?… uma vai repetida para oferecer ao J. Martins intitulada de Amazônia… os defensores da Natureza merecem todo o meu apoio. \\\ Obrigado por ter feito a marcação dos quartos com vista para o cadoiço… não me diga que por aí em finais de Abril, ainda é preciso águas quentes,rsrs… a Natureza anda mesmo mal tratada! Inté. L. F.

  12. Luis Furtado: Vamos ver se a história do Admir é parecida com a do Jamil.\\ Os quartos estão reservados como disse mas é verdade que com a temperatura amena que já está hoje é bem possível que não seja necessário utilizar as águas quentes. Mas cada um é que sabe as águas que necessita para aquecer o corpinho rss. \\ Viva a Natureza e boa viagem até à Louletania terra de Admir e de outros mais. Abraço – Palma

  13. Interessante tema sobre o nosso passado de há 8 séculos. Bom fim de semana para todos os visitantes da Louletania.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *