10 comentários a “Amália Hoje e Sempre!

  1. Neste 10º Aniversário do desaparecimento de Amália, deixo-vos aqui, e principalmente para os que têm um coração para amar sem limites, esta composição de Alexandre O’Neill / Alain Oulman . Que tenham uma noite bonita. P a l m a

  2. Que estes versos de Amália sigam direitos ao coração de alguém que já me esqueceu.

    Se não esqueceste
    O amor que me dedicaste,
    E o que escreveste
    Nas cartas que me mandaste,
    Esquece o passado
    E volta para meu lado,
    Porque já estás perdoado
    De tudo o que me chamaste.

    Volta meu querido,
    Mas volta como disseste,
    Arrependido
    De tudo o que me fizeste,
    Haja o que houver
    Já basta p’ra teu castigo
    Essa mulher
    Que andava agora contigo.

    Se é contrafeito
    Não voltes, toma cautela
    Porque eu aceito
    Que vivas antes com ela
    Pois podes crer
    Que antes prefiro morrer
    Do que contigo viver
    Sabendo que gostas dela.

    Só o que eu te peço
    É uma recordação,
    Se é que mereço
    Um pouco de compaixão,
    Deixa ficar
    O teu retrato comigo,
    P’ra eu julgar
    Que ainda vivo contigo.

  3. O original é muito melhor mas estes moços conseguiram dar uma fatiota nova ao velho fado que é muito agradável.

  4. Tenho uma predilecção especial pelos fados de Amália. Ainda bem que há uma certa juventude a admirá-la. É que ele a é mesmo a maior tendo já desaparecido do mundo dos vivos.

  5. “Não interessa que ninguém perceba a língua das canções, a voz de Amália Rodrigues é a única tradução necessária” Lotte Lapian, Jerusalém (Israel), 1966.

  6. O David Mourão Ferreira foi um dos grandes poetas que escreveu para a Amália. O poema que transcrevo não foi cantado por ela mas por uma sua aluna.
    E por vezes – David Mourão-Ferreira
    E por vezes as noites duram meses
    E por vezes os meses oceanos
    E por vezes os braços que apertamos
    nunca mais são os mesmos E por vezes

    encontramos de nós em poucos meses
    o que a noite nos fez em muitos anos
    E por vezes fingimos que lembramos
    E por vezes lembramos que por vezes

    ao tomarmos o gosto aos oceanos
    só o sarro das noites não dos meses
    lá no fundo dos copos encontramos

    E por vezes sorrimos ou choramos
    E por vezes por vezes ah por vezes
    num segundo, se envolvem tantos anos.

  7. A Amália deve muito da sua grandeza aos grandes poetas e compositores que escreveram para ela. Para lá da sua voz excepcional não esqueçam quem lhe colocou na voz coisas maravilhosas, que hoje continuam a encantar, já as gerações mais novas.

  8. Bom “mau” dia por aqui Palma; Está de chuva e frio e já tive que arrumar os calções,rsrs. Hoje, depois do ballet, ando por Sevilha às Sevilhanas, faz parte do espectáculo, só um momento……….. desculpe, fui ali mudar de posto, é que estava a cantar esta senhora e já não posso ouvi-la a cantar o, Que perfeito Coraçããããão… o que é isto do ãããão, e a maneira como é cantado?, é só para ser diferente?… ouvindo mais que uma vez, até se me parte o coração, tornasse-me irritante. São gostos… minha rica Amália, foste e serás sempre a Amália, o resto, não é mais que a exploração do teu nome… ainda o La Féria fará a Amália 2, Amália 3, etc. etc. \\\ Excelente ideia do Almeida em levar os alunos ao local do “crime”,rsrs. Inté. L.F.

  9. Luis: Para os amalianos qualquer versão modernista dos fados da Amália é sempre qualquer coisa de
    intromissão em casa alheia rsss. Mas pelo menos serve para dar a conhecer à malta mais jovem o reportório da Snrª Rodriguez como lhe chamavam alguns espanhóis.\\Por aqui chove agora qualquer coisinha. Nada que não seja natural no Outono por que estamos passando. Mais um. Saúde. E até mais tarde. Palma

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *