AZNAVOUR UM CANTOR DE SEMPRE

Apesar dos seus 85 anos podemos dizer que Charles Aznavour conseguiu passar por várias gerações sempre apreciado por gente de todas as idades e em todo o Mundo.

Com mais de cem milhões de discos vendidos, 850 canções compostas por si e a participação em cerca de sessenta filmes, Aznavour que começou a apresentar-se em público aos nove anos de idade, ainda não se afastou dos palcos, continuando a conquistar os corações sensíveis que apreciam o seu estilo musical, como acontece connosco.

Texto: Palma

6 comentários a “AZNAVOUR UM CANTOR DE SEMPRE

  1. Piaf descobriu Aznavour e encantada com a dupla, Piaf propôs que abrissem os shows que faria nos Estados Unidos e eles foram, por conta própria. Desembarcaram em Nova York sem vistos de entrada e passaram dias na prisão, até ela ir resgatá-los. Aí nasceu a amizade entre Charles e Edith. Quando ela lhe escrevia assinava “com afeto, sua pequena irmã das ruas”, e por este afeto ele agüentou seus caprichos e acessos de ira, pacientemente, no tempo em que moraram juntos. Ele aprendia com ela. “Tínhamos muito em comum, ela cantou na rua e eu também. Ela veio de uma família pobre e eu também. Não fui tão pobre quanto ela, mas não era rico”, ele ressalta.”

    Palavras de Piaf e Aznavour duas vozes grandes da França .

  2. Quem não se recorda da canção SHe naquele belo filme passado num Bairro de Londres ?
    Aqui está a letra em espanhol para melhor se entender:

    Ella puede ser la cara que no consigo olvidar
    Un rastro de placer o remordimiento
    Puede ser mi tesoro o el precio que tengo que pagar
    Ella puede ser la canción que canta el verano
    Puede ser el frío que trae el otoño
    Puede ser cien cosas diferentes
    Mientras pasa el día

    Ella puede ser la bella o la bestia
    Puede ser la carencia o el banquete
    Puede convertir cada día en cielo o en infierno
    Ella puede ser el espejo de mi sueño
    Una sonrisa reflejada en un arroyo
    Ella puede no ser lo que parece dentro de su máscara

    Ella quien siempre parece muy feliz dentro de un gentío
    Sus ojos pueden ser tan privados y tan orgullosos
    A nadie le permitió verlos cuando lloran
    Ella puede ser el amor que no puedo esperar que termine
    Puede venir a mi desde las sombras del pasado
    Que recordaré hasta el día que muera

    Ella puede ser la razón para sobrevivir
    El por qué y el donde por lo que estoy vivo
    A quien yo cuidaré a través de los muchos y ásperos años
    Yo tomaré sus risas y sus lágrimas
    Y con ellas haré todos mis recuerdos
    Por donde ella va yo tengo que estar
    El significado de mi vida es ella, ella, ella

  3. Que bela canção do Aznavour e que por acaso não conhecia. As melodias como esta não passam. Os anos passam por nós e ainda bem que estas bonitas canções nos enchem de saudades de um tempo que não volta.

  4. Aos 83 anos Aznavour esteve no Brasil. Fica aqui a critica do espec. de S. Paulo.

    Helô Machado
    Romântico total. Aos 83
    Helô Machado

    Quando a cortina se abre, a orquestra de 11 músicos já está no palco. O público aplaude e ele aparece. Terno preto, camisa preta sem gravata, cabeça branca, magrinho, baixo, bem baixinho. Olha para o maestro e começa a cantar.

    É o início da ‘Farewell Tour’, show definido como ‘a despedida de Charles Aznavour’, no Via Funchal, em São Paulo. A apresentação já percorreu várias cidades dos Estados Unidos, Canadá, Ásia, Europa, e tem muitas ainda a percorrer pelo Brasil e pelas Américas…

    Aos 83 anos, o cantor francês de origem armênia é o que se pode chamar de um romântico (felizmente) incurável. Ou seria um ‘enfant terrible’, como diriam os franceses?

    Chique, discreto, ágil e versátil, ele encanta com a mesma voz e emoção que o consagraram há mais de 40 anos. Sem economia e sem cansaço. Trinta músicas – todas de sua autoria – estão no repertório dessa turnê, desfiladas durante exatas duas horas de um espetáculo inesquecível.

    Ouvir Aznavour é ter a certeza de que o amor existe e pode surgir a qualquer hora. É também um retorno garantido no tempo, uma volta mágica à juventude, aos beijos apaixonados do primeiro, do segundo, do terceiro grande amor da vida da gente.

    Sim, porque Charles Aznavour embalou todos eles. E aumentou a nossa paixão. E fez com que dançássemos em abraços muito apertados. E cuidou também do nosso francês: queríamos cantar com ele ‘Que C´est Triste Venise’, ‘Il Faut Savoir’, ‘La Bohême’, ‘Avec’, ‘Et Pourtant’, ‘Mourir d´Aimer’…

    Francês bem melhorado, com a chegada de ‘She’ é a hora de cuidarmos do nosso inglês… Para continuar garantindo aquela emoção que se instala ‘doucement’, assim que o maior romântico francês de todos os tempos começa a cantar. E entra no coração, na casa e na vida da gente, para não sair nunca mais…

    Show de despedida? Que despedida? Aznavour não concorda com isso. Ele está ótimo. E diante dele, todos nós também: quem já passou dos 40 e quem ainda nem chegou aos 30.

    Como bem disse o cantor numa entrevista, a juventude o adora: ‘Quando os jovens se apaixonam, é para mim que eles vem’. Certainement.

  5. Assisti a um concerto do Monsieur Aznavour no Olympia de Paris há uns ano atrás. Quem me dera poder assistir a outro assim. Canções para uma voz única. Desejo-lhe muita saúde para poder ainda oferecer a sua arte a milhões de admiradores como eu.
    Frederic

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *