Canções para Setembro

SETEMBRO LEMBRA CANÇÕES DE AMOR

Intercaladas com algumas ruas da Louletania, vão por aqui passar neste mês de Setembro canções com poemas de amor, talvez porque Setembro como ponte de passagem para essa estação romântica que é o Outono, sempre inspirou muitos cantores e letristas.

Neste caso aparecem aqui, lado a lado Roberto Carlos e Maria Betânia. Dois nomes dos maiores da música de além mar. Betânia e Roberto apesar de terem respectivamente 67 e 68 anos,

continuam jovens nas vozes e na inspiração. O tempo parece não os ter afectado. Ambos venderam milhões e milhões de discos até hoje e continuam encantando os seus fãs mais antigos e os outros das novas gerações. Começar ou findar um amor ao som de uma das suas canções é um momento que fica para sempre.

Palma

13 comentários a “Canções para Setembro

  1. Como diz uma conhecida canção.. foi em Setembro que a conheci. Já lá vai um tempo. Esta canção faz-me lembrar que afinal há amores que não se esquecem fácilmente. Ainda bem que há canções que nos lembram pessoas que foram importantes nas nossas vidas. Fiquem bem.

  2. Uma cantiga assim numa noite como esta é qualquer coisa de divino. Vou certamente ter bons sonhos. Para todos os que têm capacidade de amar mesmo não correpondidos uma canção assim deixa-nos mesmo com dôr de cotovelo .lol.

  3. Bem … cheguei tarde à rua e aos burricos … como eles fizeram parte da minha infância … Bem, mas agora a música é outra, e muito boa por sinal … e essa é uma parelha que se ouve sempre com algum … bastante sentimento … Uma muito boa semana à louletania e visitantes. Abraço Palma

  4. Incógnito e Nini: Este mês de Setembro sempre era conhecido pelo final de muitos amores de Verão. Também outros teriam seguimento mas a maior parte deles terminava com o último banho de mar nas últimas horas das férias. Enfim, para mim as bonitas canções de amor como esta enchem-nos a alma rss.

  5. Liliana: Apesar de chegar tarde à rua dos burricos,está perfeitamente a tempo de contar as suas aventuras no que concerne às suas vivências com tão simpático animal. Conte que a gente quer saber. E não é cusquice é apenas o gostar de saber como foram esses tempos que não são assim tão distantes…. Abraço – Palma

  6. Palma; tal como a Lila, também eu chego tarde aos burricos, mas nunca é tarde para falar de burros né?… ainda mais, depois da amostra que lhe enviei,rsrs. Lembro-me de um “parque de estacionamento” para burros junto às bicas frente ao estabelecimento do “touro azul”? cujos muros davam para a horta Del-Rei onde se podiam avistar Nespereiras e Bananeiras e ouvir a água correr… ao sábado era uma festa, qual trupe de saltimbancos, vestindo cada um a sua roupagem, sim porque os donos gostavam de os ver bem aprumados… assim fquei a saber para que serviam aquelas coisas que os Albardeiros faziam, todas coloridas, com espelhos e tudo… nunca montei um burrico e se calhar fiz mal, deve ser por isso que hoje sou tratado como um grande burro,rsrs. Pronto já desabafei e, O Setembro chegou, vamos nos separar, blá blá blá… adeus às férias e aos amores de verão,rsrs. Inté.

  7. Caro Luís: Essa é boa. Então a amostra é uma burricadazinha ? \\ Exactamente isso. Frente à venda do Touro Azul que já faleceu há uns anos e cujos filhos salvo erro estarão na América e que por acaso eram meus amigos, havia um belo recanto que era um parque de estacionamento jumentino. Os velhotes deixavam ali os seus jumentos e íam ao tio Touro Azul beber um calcinho de cinco. Era um homem muito forte e que a nós míudos daquela altura, metia um certo respeito.
    Dizia-se que tinha sido empregado do célebre Alcapone quando esteve a viver na América.
    \\ Os Albardeiros de que fala havia naquelasa redondezas até ao Largo do Chafariz alguns profissionais desse ofício bem engraçado por sinal mas trabalhoso. Muitas tardes andei por ali a apreciar as suas artes.\\ Espero que esteja mais bem disposto e que essa coisa de ser tratado como um grande byurro seja apenas um sonho seu. Apesar de haver sempre gente que nos gosta de tratar de alicate na mão. Abraço e boa noite. Palma

  8. Maria Bethânia é referência obrigatória em qualquer citação à música brasileira a partir dos anos 60. Conforme bem observou a escritora e ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, Nélida Piñon, no seu ensaio sobre a artista, “há que se ouvir esta brasileira universal. Cantora maior da cena humana, cuja arte, incorruptível, explica um país e um povo. Porque quando Maria Bethânia entoa seu canto, ela representa o Brasil. Ela consolida no palco a língua das nossas emoções”. Brasileirinha

  9. Leiam os poemas de Maria Bethania e digam se não são lindos lindos. Para quem tiver alguém a quem se entregar de coração não esqueça qualquer sua canção.
    ……………………
    Olha o Tempo Passando
    Maria Bethânia
    Composição: Dolores Duran e Edson Borges
    ……………………..
    Olha, você vai embora
    Não me quer agora
    Promete voltar
    Hoje você faz pirraça
    Até acha graça se me vê chorar
    A vida acaba um pouco todo dia
    Eu sei e você finge não saber
    E pode ser que quando você volte
    Já seja um pouco tarde pra viver
    Olha o tempo passando
    Você me perdendo com medo de amar
    Olha, se fico sozinha
    Acabo cansando de tanto esperar

  10. Sempre gostei de Maria Betania . As suas canções interpretadas com calor e garra como aliás a maior parte dos cantores brasileiros deixam-me rendido. E este duo com o RC é um must.

  11. Aqui fica mais um poema de uma canção que gosto muito. Bethânia é minha preferida minha gente.
    Você
    Maria Bethânia
    Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos

    Você, que tanto tempo faz,
    Você que eu não conheço mais
    Você, que um dia eu amei demais
    Você, que ontem me sufocou
    De amor e de felicidade
    Hoje me sufoca de saudade
    Você, que já não diz pra mim
    As coisas que preciso ouvir
    Você, que até hoje eu não esqueci
    Você que, eu tento me enganar
    Dizendo que tudo passou
    Na realidade, aqui em mim
    Você ficou
    Você que eu não encontro mais
    Os beijos que já não lhe dou
    Fui tanto pra você
    E hoje nada sou.

  12. Viva Palma; só agora ouvi esses dois grandes “cotas”. Há uma canção da Maria Bethânia,(inserida juntamente com esta), que sempre me tocou… NEGUE, vá lá negue, negue que não tenho razão,rsrs. \\\ Então não era uma burricada a amostra dos “burros”,?rsrs. Ainda brinquei com pelo menos um dos filhos desse corpulento homenzarrão. \\\ Não me diga, (segundo constatei), que andei na António Arroio com o nosso amigo Almeida? querias,rsrs. Para terminar, os gatitos já se foram e deixaram a caminha impecável, bom trabalho cirúrgico. Há uma hipótese do amigo visitar o atelier com uma boleia ida e volta… depois informo se ter um dia disponível. Inté. L.F.

  13. Luis: Estas músicas tocam sempre os coraçanitos quer dos cotas quer dos cotinhas.\\ Essa do NEGUE
    é das melhores da Mariazinha. É sempre um prazer ouvi-la e eu gosto mesmo de ouvi-la.\\ Você deve ter brincado com o filho mais velho do nosso vizinho Gicante porque o mais novo tem uma diferença acentuada em relação ao outro.\\ Já viu que o António quase que andava consigo na António Arroio não fosse ele mais novo só seis meses rsss. \\ Quanto aos gatitos foi bom tê-los mandado embora já que desses ninguém os quer. Logo informa então mas estou também pensando ir a Lisboa daqui a algum tempo não muito e nessa altura faria uma passagem por aí. Abraço -Palma

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *