Dia de Stº António

A devoção a Sto. António continua bem viva nos nossos dias, principalmente na cidade de Lisboa. Esta devoção inclui homenagens oficiais, cerimónias litúrgicas e festejos populares. Entre essas manifestações existem os “Tronos” a Santo António, que são pequenos altares dedicados ao Santo Popular, que as crianças colocam nos portais das casas pedindo “cinco reis” para o santo, os arraiais com música popular e a sardinha assada, vasos de manjerico com quadras de gosto popular.

********************************************************************************

Saindo o bom Stº Antonio ,

A dar o seu passeio costumado

E a decorar, num tom rezado e lento,

Um cândido sermão sobre o pecado.

.
Andando, andando sempre, repetia

O divino sermão piedoso e brando,

E nem notou que a tarde esmorecia,

Que vinha a noite plácida baixando…


E andando, andando, viu-se num outeiro,

Com árvores e casas espalhadas,

Que ficava distante do mosteiro

Uma légua das fartas, das puxadas.

 

Surpreendido por se ver tão longe,

E fraco por haver andado tanto,

Sentou-se a descansar o bom do monge,

Com a resignação de quem é santo…

.

O luar, um luar claríssimo nasceu.

Num raio dessa linda claridade,

O Menino Jesus baixou do céu,

Pôs-se a brincar com o capuz do frade.

.

Perto, uma bica de água murmurante

Juntava o seu murmúrio ao dos pinhais.

Os rouxinóis ouviam-se distante.

O luar, mais alto, iluminava mais.

.

De braço dado, para a fonte, vinha

Um par de noivos todo satisfeito.

Ela trazia ao ombro a cantarinha,

Ele trazia… o coração no peito.

.

Sem suspeitarem de que alguém os visse,

Trocaram beijos ao luar tranquilo.

O Menino, porém, ouviu e disse:

– Ó Frei António, o que foi aquilo?…

.

O Santo, erguendo a manga de burel

Para tapar o noivo e a namorada,

Mentiu numa voz doce como o mel:

– Não sei o que fosse. Eu cá não ouvi nada…

 

Uma risada límpida, sonora,

Vibrou em notas de oiro no caminho.

– Ouviste, Frei António? Ouviste agora?

– Ouvi, Senhor, ouvi. É um passarinho.

.

– Tu não estás com a cabeça boa…

Um passarinho a cantar assim!…

E o pobre Santo António de Lisboa

Calou-se embaraçado, mas por fim,

 

Corado como as vestes dos cardeais,

Achou esta saída redentora:

– Se o Menino Jesus pergunta mais,

… Queixo-me à sua mãe, Nossa Senhora!

 

Voltando-lhe a carinha contra a luz

E contra aquele amor sem casamento,

Pegou-lhe ao colo e acrescentou: – Jesus,

São horas…

……………………E abalaram pró convento.

 

Augusto Gil

 

  • Foto: “Louletania”. Fotografia obtida hoje, dum trono de Stº António em casa particular de Loulé
  • Fonte texto : Lifecooler

3 comentários a “Dia de Stº António

  1. Não conhecia esta tradição dos tronos de Stº António. Cá por baixo deve ser coisa desaparecida há muito tempo. Raul

  2. Respondendo ao Raul eu acho que os tronos de Stº António é coisa tradicional da cidade de Lisboa. Depois em diversos sítios do país alguns crentes do santo terão pequenos tronos em homenagem neste dia.

  3. Nasceu em Lisboa, no primeiro século da nossa nacionalidade, tendo falecido em Pádua em 1231. Foi certamente o primeiro e mais importante autor da pré-escolástica franciscana no espaço europeu, tendo recebido a sua formação cultural nas escolas e mosteiros portugueses, nomeadamente em Santa Cruz de Coimbra, num quadro muito marcado pelo pensamento de Santo Agostinho.
    A vertente filosófica dos seus Sermões terá de ser encarada à luz do conceito de filosofia cristã, que tem por condição básica a aceitação da verdade da revelação, recebida pela fé, sendo a filosofia chamada a colaborar, pela via da razão, na obra da salvação, no pressuposto de que a razão filósofa em íntima articulação com a fé, nesta reconhecendo a autoridade plena do Verbo divino.
    Antoniano

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *