DUAS GERAÇÕES MUSICAIS NUM MESMO LOCAL

13cav. negras

As duas fotografias trazidas hoje a esta página, mostram duas gerações de amantes da música tocando no mesmo palco. Só que a foto dos “Caveiras Negras “ ( a preto e branco ) foi obtida na década de sessenta, tratando-se do mais antigo grupo utilizando guitarras eléctricas, nascido em Loulé. Na outra, a cores e obtida há duas noites atrás, mostra-nos a nova Banda louletana “Swear Pigs”. Na verdade algumas diferenças existem entre eles. Nos “Caveiras Negras” jamais apareceu uma qualquer jovem vocalista, já que na época isso seria quase uma afronta à moral e aos bons costumes da terra. Felizmente os “Swear Pigs” não tiveram grande dificuldade para conseguir a vocalista que necessitavam. Quanto à música, tratando-se de duas épocas bem distintas também os reportórios são bastante diferentes.

Os “ Caveiras Negras eram constituídos pelo Pedro Cabeçadas,Barão Carapinha, Paulo Lopes, Tó Clareza, Sergio Pepe e Tota. Mais tarde viraram “ Top Kings” e disso falaremos daqui a algum tempo.

Os “ Swear Pigs” são constituídos pelo Miguel Mendes, Micaela Leal e Bruno Santos.

Como dissemos, as duas fotos foram obtidas no mesmo local ou seja, na antiga “ Sociedade dos Artistas “ hoje “Casa da Cultura de Loulé”, ali à Praça da República.

Longa vida para a novel Banda Louletana assim como para os elementos dos “ Caveiras Negras” estes um tanto mais barrigudos do que os outros e mais gastos pelo tempo rssss.

Texto : Palma

18 comentários a “DUAS GERAÇÕES MUSICAIS NUM MESMO LOCAL

  1. Boas recordações para os de ontem e bons momentos para os de hoje mais tarde recordarem. Nonna notte. Kilas

  2. Do grupo Caveiras Negras 3 elementos foram meus colegas de escola primária: O Barão Carapinha, o Paulo Lopes e o Sérgio Pepe. Nesse tempo ainda não se adivinhava os seus dotes musicais!!!

  3. Kilas: Não haja dúvida que estes tempos deixam sempre recordações. Além disso é uma idade onde as preocupações não são muito bem recebidas rsss. Palma

  4. Jorge:Em que escola andaram ? Eu andei na da Rua Ancha e depois passei para a da «Barreira» mas nunca andei com nenhum dos quatro. O Barão ainda é meu primo e naquela altura já devia ter um porte de grandalhão. Na foto vê-se bem a diferença entre os restantes e ele rss. Abraço – Palma

  5. Aqui está uma letra dum rock que os Caveiras Negras cantavam, se bem me lembro. Yeahhhhh!
    Letra da música Be Bop a Lula (Well, be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe;
    Be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe.
    Be bop a lula, she’s my baby love, my baby love, my baby love.

    Well, she’s the girl in the red blue jeans,
    She’s the queen of all the teens,
    She’s the woman that I know,
    She’s the one that loves me so.

    Say, be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe.
    Be bop a lula, she’s my baby love, my baby love, my baby.

    Let’s rock!

    Well, she’s the woman that’s got that beat,
    She’s the woman with the flying feet,
    She’s the woman that walks around the store,
    She’s the one who wants me more, more, more.

    Say, be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe.
    Be bop a lula, she’s my baby love, my baby love, my baby.

    Let’s rock again!

    Well, be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe;
    Be bop a lula, she’s my baby,
    Be bop a lula, I don’t mean maybe.
    Be bop a lula, she’s my baby love, my baby love, my baby love.

    She’s sure my baby love.

  6. Palma: na 1ª e 2ª classe na Conde Barão. Na 3ª classe na Barreira. E, finalmente, na 4ª classe na Ancha!!! Há dias o Felipe (do Jardim Hotel) mostrou-me uma foto com o grupo da 1ª classe e o respectivo professor. Moreira, de seu nome. Diz que tem uma foto para me oferecer. Estou ansioso por a receber…
    És ligeiramente mais novo por isso não frequentaste a mesma classe…

  7. Jorge. É isso mesmo. É que eu não cheguei a andar na Conde Ferreira.\\ Esse professor deve ter sido um que eu também tive na 1ª classe e que se chamava Albertino Moreira e que tinha vindo de Braga. Nunca mais me esqueci de que no 1º dia da 1ª classe cheguei atrasado na parte da tarde,pois o relógio da Rua das Lojas (por cima da Relojoaria Laginha) estava também ele atrasado três ou quatro minutos e por isso levei logo uma «charutada » rsss que fiquei mais pequenino que o baguinho de milho rsss. Hei-de pedir ao Filipe para me mostrar a foto. Deve ser tudo malta conhecida. Abraço – Palma

  8. Que grandiosas foram as matinees no “Atlético” e nos “Artistas” Sociedades Recreativas hoje já desaparecidas.

  9. Pois é, a casa da cultura de loule já tem muita história, e no fim de semana passado mais um capitulo foi escrito, é bom saber que ainda ha coisas que não mudam independentemente do tempo em que nos encontramos, a casa da cultura de loule está em boas mãos.

  10. Caro Miguel: Entre vocês Banda de 2010 e nós, nos idos anos sessenta, vai um largo caminho. E foi muito interessante também para mim observá-los naquela noite já que ali também desfrutei daquele secreto prazer de estar em cima de um palco tocando para amigos ou simples desconhecidos. Mas eu acho que tirei mais prazer…rsss.porque em Loulé não havia mais guitarras eléctricas a não ser a minha e as outras duas que eram acústicas electrificadas…rssss. \\ Quanto à malta da Casa da Cultura não tenhamos dúvidas que é um grupo coeso e a quem Loulé muito deve pois acontecem por ali muitas coisas que têm a ver com Cultura. Abraço – Palma

  11. Que pena os conjuntos de hoje não se dedicarem às canções de amor. Será que o amor acabou ? Não me consta.
    Aqui fica um pouco de uma canção do Adamo em espanol.

    AYER
    Salvatore Adamo

    Ayer faltabas tu
    Y me sobraba el sol
    Con su brillante luz.
    Ayer sonaban más
    Las notas del amor
    Y la felicidad.
    A tientas te busqué
    A gritos te llamé
    Y el eco respondió.
    Ayer y siempre ayer
    Luchaba por poner
    Mis sueños a tus pies.

    Pero el sol ese estúpido sol
    Se burlaba de mí
    Dulce amor sin contornos ni voz
    Sin principio ni fín
    Cuanto tiempo sin tí
    Cuanto tiempo sin tí…

    Ayer en tu lugar
    La fria soledad dormia junto a mí
    Con su fidelidad no me bastaba ya
    Pensaba en ti
    Con la imaginación te dibujaba yo
    Segun un ideal
    A veces tan real
    Que te podía ver
    Que te podia tocar.

  12. Duas gerações … alguns anos as distanciam, mas o mesmo gosto em comum … assim é a música, tem esse condão … Boas memórias … e incentivo para esta juventude.

    Força, continue a viagem … pelo baú … abraço

  13. love: O reportório dos Conjuntos daquela época era na maioria dos casos constituído pelas canções em voga e a canção italiana e francesa estavam nessa altura em grande força.
    Depois foram completamente absorvidas pela americana que continua a liderar os tops. Os franceses tiveram canções e intérpretes fantásticos e hoje estão reduzidos práticamente a meia dúzia que se dedica a copiar a música made in USA. Boa noite – Palma

  14. Lila: E o baú continua a trazer até aqui algumas recordações que vão ao encontro de muitos dos nossos leitores. E não há mal nenhum de ser saudosista de coisas que nos deram alegrias e prazer. Esqueçamos as outras. Abraço – Palma

  15. Os Shadows também eram lembrados pelos Caveiras Negras. Lembro-me de tocarem um ou outro tema desse grande grupo que na altura era considerado o melhor do mundo no género. Ainda hoje e houve o Shadows com bastante agrado.

  16. A musica une sempre as várias gerações embora os estilos vão mudando.

  17. Tive um irmão que pertenceu a um desses conjuntos rock formados nos anos sessenta. Eles tinham todos um entusiasmo que dava gozo ver. Não tocavam muito, mas os Beatles estavam na moda e mudaram a mentalidade da juventude de muitos países. Gosto de ver fotograias destes temos embora nun ca tenha pertencido a qualquer grupo por manifesta falta de jeito. Abraço

  18. Hoje há escolas de musica por todo o lado e qualquer um tem uma boa viola. Naquele tempo aprendia-se uns com os outros e eram poucos os que tin ham dinheiro para comprar uma viola. Tudo mudou e tanto tanto que nem imaginam os que não viveram antes do 25 de Abril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *