Entrevistas interessantes – A

Nélida Pinon – As escolhas da primeira mulher presidente da Academia Brasileira de Letras, actual júri do Pr. José Saramago

Cidade de que mais gosta : Amo a cidade, mas nutro nostalgia pelo campo.Desfruto de Paris, mas sou infiel. Suspiro pela minha casa
no Rio de Janeiro, por Barcelona, Santiago, Lisboa, Nova Iorque. Terras onde vivi.
Música ou intérprete preferido: Mozart, ainda Beethoven, Bach, Wagner.Deleito-me com Maria João Pires, Nelson Freire e Martha
Algerich, gente ibérica. Sem esquecer a ópera.
Uma obra de culto: ” Crime e castigo” deDostoievski, lido aos 13 anos. Uma leitura qu me perturbou, provocando-me um abalo sísmico.
O que anda a ler: Sou leitora voraz. Percorro os clássicos, que sempre tenho nas mãos. Leio também livros de história, porque amo os séculos como se fossem criaturas.
Filme inesquecível: Todos os filmes de John Ford. ” The Searcher”, capitaneado por John Wayne, é uma obra prima.
Um refúgio: a minha casa e o coração dos que amo e amei. O meu escritório também é uma caverna amiga, onde brotam as palavras da amada língua Portuguesa.
Um passatempo: Viver, o quanto posso. Pensar, rir, olhar, confiar no sortilégio da carne e da imaginação.
Maior medo: Da violência, da tortura, da dor indigna, da morte que nos humilha e cancela os códigos com os quais convivemos desde
o berço.
Um luxo de que não prescinde: Primeiro a liberdade. Depois, guardar segredos, aperfeiçoar a arte do sigilo, que nos protege do mal
alheio. Rir discreta, sabendo que o riso sabe mais do que exibe. Porque qualquer confissão corre o risco de representar culpa.
Quem são os seus heróis: Os Heróis dos filmes e dos livros de aventuras. Os personagens de Dumas, por exemplo fascinam-me ainda hoje, a ponto de passar horas na Place des Vosges entretida com os entreveros vividos pelos mosqueteiros da rainha e pelos esbirros do cardeal
Richelieu, que, amando tanto os gatos, deixou-lhes parte da fortuna.

In Expresso – Luisa Amaral

7 comentários a “Entrevistas interessantes – A

  1. Gostei da pequena entrevista e sobretudo desta frase;
    Maior medo: Da violência, da tortura, da dor indigna, da morte que nos humilha e cancela os códigos com os quais convivemos desde o berço.

  2. É uma das minhas escritoras brasileiras favoritas.Pequenina entrevista onde s dizem grandes coisas. Sandrinha

  3. Bom dia Palma; ontem choviscou por aqui e está mais frescote, ainda bem, já andava um tanto ou quanto ficando torradito,rsrs. Por se falar de cultura fui encontrar no espólio da falecida Mãe, (pena não ser as quadras do Aleixo), um bilhete de identidade escolar que rezava assim…
    Escola industrial e comercial de Tomaz Bordalo Pinheiro-Figueira da Foz.
    Ano lectivo de 1933/34.
    No verso; Deveres dos alunos, Decreto nº 18:420, de 4 de Junho de 1930.
    Art. 231.º-Os alunos têm por deveres:
    1º-Comparecer às aulas, oficinas e trabalhos práticos às horas e dias marcados no seu horário escolar;
    2º-Atender todos os conselhos e advertências dos superiores e as ordens que lhes sejam transmitidas pelo pessoal de serventia.
    3º-Ter no melhor estado de conservação o material escolar que lhes seja distribuído ou de que façam uso;
    4º-Pagar a importância de qualquer artigo que percam ou estraguem, quando não for por motivo justificado;
    5º-Cumprir as demais disposições regulamentares e as instruções próprias das escolas.
    Trazia um selo da; Assistência Nacional aos Tuberculosos datado de 1929, não traz valor.
    Olha se os alunos de hoje tivessem um bilhete de identidade destes,rsrs. Esta semana se não me chegarem os ovos para as omeletas entro em greve,rsrs. Depois conto. Inté. L.F.

  4. PS; o”menino” Jr. andou praqui a escrever quadras e esqueceu-se de repor o nome do pai, daí o Carlos. Está resposta a verdade. L.F.

  5. Luis Furtado: Agora até fiquei meio espantado pensando que vocÊ tinha sido baptizado de nome tinha renegado o célebre Luís…..rsssss.\Não tem importância. Na verdade um bilhetinho desses nos dias de hoje punha toda a gente em polvorosa e manifestações à porta de cada escola…rsss.
    \\Sem ovos,azeitinho e uma pitadinha de sal a omelete não
    chega a alourar..rsss.\\ E parece que já aí vem mais calor a partir do fim de semana…. Abraço – Palma

  6. Temos uma coisa em comum … lemos o mesmo livro aos 13 anos … costumo dizer, ainda bem que li esse, O jogador do mesmo autor, e outros tais como O estrangeiro do Camus, A peste, porque hoje não teria coragem pra tal lol … Vi uma entrevista a ela numa tv ainda há bem pouco tempo. Amei! Abraço amigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *