Há poucas horas em Sevilha……

Há umas horas atrás em Sevilha, nessa cidade cujo encanto é permanente e que nunca nos cansa visitar , sentia-se no ar aromas do Oriente, entre risos de crianças e música de uma beleza indefinível. Na famosa Rua Sierpes dois músicos apenas, enchiam o ar com os seus instrumentos, dessas notas musicais que nos fazem suspender o andamento para ficar escutando……

E como dizia o escritor brasileiro Ruben Alves……” Há músicas que contêm memórias de momentos vividos. Trazem-nos de volta um passado. Lembramo-nos de lugares, objetos, rostos, gestos, sentimentos… Aquele hino Deus vos guarde pelo seu poder provocará sempre, Jether, a memória do barco seguindo o navio. Lembrar-se do passado é triste-alegre… Alegre porque houve beleza de que nos lembramos. Triste porque a beleza é apenas lembrança… Não mais existe. Mas há músicas que nos fazem retornar a um passado que nunca aconteceu. É uma saudade indefinível, sentimento puro, sem conteúdo. Não nos lembramos de nada. Apenas sentimos. Sentimos a presença de uma ausência… Fernando Pessoa se refere a uma saudade vazia? Saudade é sempre “saudade de”. Mas essa saudade é saudade pura, sem ser saudade de coisa alguma. Será possível ter saudades de algo que não foi vivido?. ´”

– Foto: Maria do Céu –

7 comentários a “Há poucas horas em Sevilha……

  1. Pois é Palma; felizardos daqueles que estão perto de Espanha, até conseguem viajar ao País vizinho de borla com direito a música e tudo, espero também não ter faltado as Sevilhanas,rsrs. Como dizia o outro, é só fazer as contas, passa-se a fronteira, enche-se o depósito, dá-se umas voltas, faz-se umas compras e no regresso torna-se a encher, contabilizando os euros, quem acaba por pagar a viagem são nuestros hermanos,rsrs. \\\ A história da BD tem muitas hitórias… foi numa época em que era quase tudo importado e como sempre por cá, não havia, (ou poucos,) ilustradores e eu para chatear, desatei a fazer BD… uma das páginas de uma outra história chegou a ser publicada no Diário de Lisboa e ficou por aqui, havia outros compromissos, depois falamos… acabo de pintar uma aguarela para o Restaurante o Pescador, resta-me a consolação de que ficará à vista de todos,rsrs. Bom fim de semana e Inté. L.F.

  2. Luis: Não tenhamos dúvidas que temos aqui o «estrangeiro» ao pé da porta. De Loulé a Sevilha temos estrada boa o que facilita a visita nem que seja por um dia e com gasolina mais baratinha. Quanto à BD logo me dá mais umas dicas.\\ Aguarela no Pescador fica na verdade à vista de todos. Ali tudo está à frente dos nossos olhinhos….o que não acontece noutros lugares. Abraço – Palma

  3. Gosto imenso de Andaluzia. Vivi alguns anos no sul de Espanha e deixo aqui um poema de alguém que ama aquelas terras do sul .

    Ocho perlas en tu diadema ¡¡¡ANDALUCÍA¡¡¡
    CUAL CONCHA SALIDA DEL MAR.
    ESPEJO DE PLATA CON BRILLO LUNAR
    DESTELLOS DE LUZ DE TU PEDRERÍA.

    ¡Embrujo de cal y luna¡, ¡ALMERÍA¡
    Voz que canta del mar a la serranía.

    ¡MÁLAGA¡ ¡Blanca de cal y de sol morena¡
    Canto de amor en luna llena.

    Con miles rojas veletas ¡GRANADA¡
    Bañada en nieves de Sierra Nevada.

    ¡CÓRDOBA¡, mezquita mora y cristiana¡
    Magia de luz, bella hurí, esquiva sultana.

    Embrujo y magia en el aire ¡SEVILLA¡
    Reina de abril con peineta y mantilla.

    ¡HUELVA¡, ¡alegre romería del rocío¡
    Encanto dulce de bronco bohío.

    ¡CÁDIZ¡, ¡blanca de luz y recoleta¡
    reflejada, cual luna, en la caleta¡

    ¡Verde JAÉN¡, manto de olivares verde¡
    que en el infinito azul se pierde.

    ¡¡¡OH¡¡¡ ¡¡¡ANDALUCÍA¡¡¡ ¡¡¡ANDALUCÍA¡¡¡

    Tu tienes plata, bronce, cobre y oro.
    Tu tienes luz, misterio, eembrujo y cielo.
    tu tienes fuego, amor y duende en tu suelo.
    Tu tienes el cante hondo de embrujo moro.

    Tu tienes, ¡ANDALUCÍA LA EMBRUJADA¡
    De todo, ¡ANDALUCÍA LA AFORTUNADA¡

    En tus jardines mil ferias en abril
    y esa cinta azul de terciopelo,
    donde se contempla y refleja el cielo,
    cuyo sonoro nombre es: ¡¡¡GUADARQUIVIR¡¡¡

    LUIS CUEVAS LÓPEZ – OAsis

  4. Uma nova tendência de anúncios de oferta de trabalhos domésticos, que dá sentido à expressão “pagamento em géneros”, está a agitar os franceses. A história, contada no jornal francês, Le Parisien, conta como está a virar moda trocar certos serviços como arranjos de canalização ou traduções e explicações em casa, por favores sexuais.
    Os anúncios chegam a primar pela descrição como um de um homem de 44 anos, “respeitável, higiene irrepreensível, não fumador, com 1,80 metros, 85 quilos”, que troca reparações eléctricas por “mimos picantes”.

    Para sociólogos e antropólogos ouvidos pela reportagem do Le Parisien esta nova tendência nasce de tempos de crise e de precariedade financeira, de uma altura em que o corpo é visto como uma fonte possível de rendimento, em última análise. Mas apontam a prática como mais uma forma de prostituição, mais segura do que a rua e sem envolver dinheiro, mas prostituição na mesma.

    Alguém quer arranjar a instalação elctrica de toda a minha casa ….?
    Katia

  5. Naranja e Cátia: Essa coisa da troca de serviços já pelas Franças é coisa que existia já nas anedotas e nos filmes. Agora chegou à vida real…rs Como será por cá ? Já haverá esse tipo de trocas ? O meu amigo Luis Furtado que se prepare para ir pintar uns painéis por aí…….kkkkkk. Boa noite a todos.

  6. Luísa: São muitos ainda os portugueses que apesar da curta distância que nos separa, desconhecem a beleza das cidades e vilas andaluzas, já para não falar da sua capital Sevilha.Uma boa semana para si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *