MORREU A MÃE DO PINTOR

Na verdade, partiu para a Eternidade, Albertina Sousa Furtado, mãe do nosso amigo e pintor louletano Luís Furtado, que diáriamente nos visita virtualmente, desde Lisboa na nossa sala da “Louletania”.

A D. Albertina Furtado que contava 91 anos de idade, há já muito anos que deixara Loulé para residir em Lisboa, tendo sido toda a sua vida, costureira de profissão.

Nunca esqueceu a sua terra, a sua rua, a casa onde nasceram os seus dois filhos (um já falecido) e sobretudo a sua Mãe Soberana.

Sempre que o seu filho Furtado ou alguém conhecido, voltava de Loulé, a primeira coisa que D. Albertina perguntava era sempre, se a sua rua e antiga casa, já haviam mudado ou dado lugar a modernas moradias, nunca esquecendo até, de um par de calças que costurou para o Poeta Aleixo e das quadras que este lhe dedicou agradecendo a perfeição das tais calças. Pena que essas quadras inéditas de António Aleixo se tenham perdido certamente na mudança de residência para Lisboa.

E para finalizar “Louletania” deixa aqui os sentidos pêsames ao amigo Luís Furtado e familiares e este pequeno texto de autor desconhecido:

“ Nem a tristeza, nem a desilusão, Nem a incerteza…Nem o medo, nem a depressão… Nada me impedirá de sorrir…Por mais que sofra o meu coração…..Nada me impedirá de sonhar….Nem o desespero nem a descrença… Muito menos o ódio ou alguma ofensa…Mesmo errando e aprendendo, Tudo me será favorável…Para que eu possa sempre evoluir, Preservar, servir, cantar,agradecer, Perdoar, recomeçar… Quero viver o dia de hoje, Como se fosse o primeiro…Como se fosse o último,Como se fosse o único… Quero viver o momento de agora, Como se ainda fosse cedo, Como se nunca fosse tarde… Conservar o equilíbrio e fortalecer a minha esperança… Quero caminhar na certeza de chegar… “

Palma

Foto: Gentilmente cedida pela família Furtado

10 comentários a “MORREU A MÃE DO PINTOR

  1. Através deste prestigiado blog Louletania, apresento os meus sentidos pêsames ao nosso ‘correligionário’ da blogosfera, Sr. Furtado.

    Obrigado… pela partilha da fotografia desta linda Senhora, que tem o mesmo nome da minha mãe: ALBERTINA!

    Apresento a minha solidariedade e,… choro sempre que uma mãe parte!

    As Mães deviam de ser eternas! (…)

    Abraços

    César Ramos

  2. Bem … o César já me pôs a chorar … valeu palma! bonita homenagem. Junto a minha à sua voz. Um abraço

  3. Certamente o Luis Furtado que a esta hora se está despedindo da sua mãe, agradecerá tão belas manifestações de solidariedade desta data que marcará mais um dia dificil na sua vida. Mais tarde ou mais cedo há um dia assim na vida de cada um de nós.

  4. Cida Valadares poetisa brasileira escreveu um poema que se adapta a este dia para o Snr. Luis Furtado.

    Ah! minha mãe, porque te foste embora?
    Deixando-me no peito o coração que chora,
    Este som, tão latente na memória…
    Mas meu meu ouvido …não houve mais a tua estória .

    Ah! minha mãe, onde colocar minha cabeça agora?
    Se é no teu colo que ela ainda mora mas…
    O teu colo não está aqui.
    E te procuro, em cada cômodo da minha casa,
    Às vezes grito : onde estás mãezinha
    Sonhando ouvir-te responder
    Estou aqui… Lindinha.
    Lindinha… era como chamava a tua filha.

    E eu dizia…Que bobagem, Mãe!
    Todo filho é lindo e toda mãe…Rainha!
    Mas tu te foste, minha mãe num dia triste.
    E deixaste-me, aqui na mais completa solidão.

    E hoje, relembrar-te venho,
    em meus versos, minha rainha.
    Por mais que o tempo passe,
    não te esquecerei, mãezinha.
    E hei de chorar-te até que me vá também.
    E que me possam ir todos da memória, um dia…

    Lembrando Cecília que em teus versos disse:
    Mãe não devia morrer…

    Sim, não devia!
    Nem filho, Cecília,
    nem filho.
    Sabia?

  5. Não conheci a Dª Albertina e já o não posso fazer; conheci já tarde o seu filho Luís e, por ele avalio quanto perdi!
    Mas resta como consolação o Luís e o João…
    Tudo farei por deles saber e será uma forma de a Albertina reconhecer…
    Aquilo que uma mãe, em vida, pode fazer,
    Dar o que sabe, para conforto de seu irmão!

  6. Sei avaliar o que é isso. Grande parte de nós o sabe. Mas é assim a vida…… curta… curta. Os meus pêsames ao Luis Furtado.

  7. É sempre dificil para quem passa por estas situações e elas acontecem todos os dias porque o tempo não pára.
    Mas todos nós queríamos que as pessoas que nos são queridas vivessem para sempre. Sobretudo a nossa mãe.
    Nenhuma língua é capaz de expressar a força, a beleza e a força de uma mãe.

  8. Por isso devemos fazer pelos nossos o melhor que pudermos enquanto cá estão.

  9. O dever da vida foi cumprido… e ela continua, cuidando dos vivos como o fez minha Mãe após a morte do meu Pai… numa cerimónia simples entre familiares e amigos, (que já não se viam à anos), agradeci-lhe todo o esforço que fez para eu chegar onde cheguei e despedi-me dela com um até logo… as Mães não morrem, vivem enquanto seus filhos viverem. Outras Mães e filhos virão, num ciclo interminável. Um bem aja a todos os amigos da Louletania com os meus agradecimentos, também para vocês, um até logo. L. F.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *