No tempo em que beijar era pecado mortal !

“Era a um quilómetro de distância (risos). Era à janela e nos bailes, ao domingo e quarta-feira. Não é como hoje. Era uma lei e todos sabiam. Mas para namorar tinham de pedir aos pais. Os que não eram permitidos, os pais batiam (…) A avó era pobre e os pais do avô não deixavam porque eram ricos e queriam uma mulher rica. Os pais dele não foram ao casamento e até nos queriam matar. Na terra uma rapariga que andava com um rapaz, se ele a deixasse era raro ela casar, com medo que ela já tivesse sido beijada. Só quando estavam para casar é que se beijavam. Também faziam maroteiras como agora mas não se sabia. Um beijo na altura era uma desonra. Quando andavam na catequese já ensinavam que não se podia beijar. Agora depois da missa eles cumprimentam-se todos. Na altura “Ai Jesus!”

 
En t r e v i s t a realizada por Martin. \ Idade da Entrevistada em 1974: 32 anos
Fonte: ” Mundo Actual ” – Foto: “Notorius” 1946 com Cary Grant e Ingrid Bergman \ Beijo censurado quando da passagem do filme no nosso país.

14 comentários a “No tempo em que beijar era pecado mortal !

  1. Um tio meu contou-me diversas vezes as peripécias que tinha que fazer para poder namorar namorar a um metro de distânica. Para o pessoal de hoje parece ficção cientifica.

  2. Lindo este filme e os seus interpretes. Comprei em DVD. QUe belos momentos de cinema. Kika

  3. Naqueles tempos mais antigos era imposta uma moral rígida. Penso que daí nenhum mal veio ao mundo…
    Hoje, ao contrário, é a bandalheira total. Causa-me nojo ver catraios, na rua, à vista de toda a gente, a beijaram-se e apalparem-se, sem vergonha e sem pudor, quase em relação sexual…!

  4. citharoedus: Tem razão. Caímos no extremo oposto…o que naturalmente não é nada bom….nem natural !

  5. Pecado quase crime !!! mas o que não é uma coisa nem outra , são os aninhos que se vão completando com essa jovialidade!!! que continue assim, com a saúde necessária para isso. Esta, será sempre um bem necessário. Um dia muito feliz junto da Céu e do Francisco. Abraço.

  6. Belos beijos. Acho que agora apesar da liberdade que temos não se sente o prazer que tinham naquela altura.

  7. Um beijo

    Foste o beijo melhor da minha vida,
    ou talvez o pior…Glória e tormento,
    contigo à luz subi do firmamento,
    contigo fui pela infernal descida!

    Morreste, e o meu desejo não te olvida:
    queimas-me o sangue, enches-me o pensamento,
    e do teu gosto amargo me alimento,
    e rolo-te na boca malferida.

    Beijo extremo, meu prêmio e meu castigo,
    batismo e extrema-unção, naquele instante
    por que, feliz, eu não morri contigo?

    Sinto-me o ardor, e o crepitar te escuto,
    beijo divino! e anseio delirante,
    na perpétua saudade de um minuto…
    Olavo Bilac

  8. O Salazarismo estava cheio de falsos moralistas e a Igreja apoiava Salazar mesmo a gente sabendo dos seus pecados em cada aldeia e vila deste país.

  9. Esta era uma das muitas proibições. O Estado Novoe a Igreja tinham uma combinação entre si para acabar com a pouca vergonha, segundo eles. Mal sabiam eles que o mundo iria deitar abaixo esses precocneirtos todos. E afinal mesmo dentro da própria Igreja veio a verificar-se que milhares de sacerdotes fizeram o que bem quiseram toda a vida mas sempre apontando o dedo aos outros. Falsos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *