O africano que se dizia louletano de coração para sempre

photo_1334595767226-1-0_0 1493209_362023540602918_2042878949_n

Como foi amplamente noticiado faleceu Kumba Yalá, ex-presidente da Guiné -Bissau, deposto por um golpe militar após três anos de mandato.

Kumba Yalá viveu a sua juventude em Loulé onde estudou até completar o ensino secundário. Comunicativo, afectuoso, inteligente, não lhe foi difícil conquistar muitos amigos louletanos. Adorava jogar futebol tendo sido jogador do Louletano e de um outro clube em S.Braz de Alportel. Continuando a estudar,licenciou-se em filosofia e Teologia em 1981 e em Ciência Política em Berlim em 1987.

São do actual Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo amigo pessoal de K.Yalá as palavras que transcrevemos, pelo seu falecimento:

 

“ Registamos com consternação o desaparecimento de alguém que teve uma forte presença e relação de amizade com a nossa comunidade, que fez amigos entre nós e que, seguindo o seu caminho, alcançou no ano de 2000, em eleições livres e democráticas a Presidência da República da Guiné-Bissau, cargo em que se manteve até 2003.

Com a sua morte desaparece um homem que, de forma consciente e resoluta e colocando muitas vezes em perigo a própria de vida, se opôs a um regime autocrático e se aproximou do sentimento mais genuíno e puro do povo guineense. E nunca se desviou desse seu propósito apesar de, como sabemos, os seus esforços não terem resultado em pleno no que respeita à consolidação de um regime político que desse a segurança, a estabilidade e um desenvolvimento justo ao seu Pais.

Kumba Ialá fez a sua formação académica em Portugal e manteve uma relação de grande proximidade e amizade com muitos de nós e com muitos dos nossos munícipes.

Talvez também por esse motivo, neste momento em que desaparece do nosso convívio, cumpre-nos fazer este preito e homenagem a um homem que admiramos e que sempre recordaremos como alguém que, pelo seu pensamento e ação, deixa um enorme vazio na República da Guiné-Bissau.

À memória de Kumba Ialá!
05-04-2014 “

 

No livro de honra da Tertúlia da Pastelaria Portas do Céu ficou registado por palavras suas o amor que tinha à nossa terra e às suas gentes referindo até que se considerava um louletano do coração, para sempre.

 

Foto: Net

 

3 comentários a “O africano que se dizia louletano de coração para sempre

  1. Conheci este homem com um grande coração que afinal o traíu tão cedo. Ficou amigo de muitos louletanos. Que descanse em paz no chão da sua terra. Maria Jose

  2. Não alinhou com o despotismo dos politcos da Guiné…..por isso foi deposto.

  3. Um homem incorruptível e por isso malamado para alguns poderosos da Guné,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *