Obtidas na mesma janela…. 74 anos separam estas duas fotos

Loulé 2013 Loulé 1939

 

Tratam-se de duas fotografias obtidas de uma das janelas da Câmara Municipal de Loulé nas quais se podem ver parte da Praça da República e ao fundo a Avenida José da Costa Mealha.

Separam-nas 74 anos. A Fotografia é na verdade uma das grandes invenções da História da Humanidade.

 

O ENCANTO NOSSO DE CADA DIA!

Ainda bem que o tempo passa! Já imaginou o desespero que tomaria conta de nós se tivéssemos que suportar uma segunda feira eterna?
A beleza de cada dia só existe porque não é duradoura. Tudo o que é belo não pode ser aprisionado, porque aprisionar a beleza é uma forma de desintegrar a sua essência. Dizem que havia uma menina que se maravilhava todas as manhãs com a presença de um pássaro encantado. Ele pousava na sua janela e a presenteava com um canto que não durava mais que cinco minutos. A beleza era tão intensa que o canto a alimentava pelo resto do dia. Certa vez, ela resolveu armar uma armadilha para o pássaro encantado. Quando ele chegou, ela capturou-o e deixou-o preso na gaiola para que pudesse ouvir por mais tempo o seu canto.
O grande problema é que a gaiola o entristeceu, e triste, deixou de cantar.
Foi então que a menina descobriu que, o canto do pássaro só existia, porque ele era livre. O encanto estava justamente no fato de não o possuir. Livre, ele conseguia derramar na janela do quarto, a parcela de encanto que seria necessário, para que a menina pudesse suportar a vida. O encanto alivia a existência…Aprisionado, ela o possuia, mas não recebia dele o que ela considerava ser a sua maior riqueza: o canto!
Fico pensando que nem sempre sabemos recolher só encanto… Por vezes, insistimos em capturar o encantador, e então matamo-lo de tristeza.
Amar talvez seja isso: Ficar ao lado, mas sem possuir. Viver também.
Precisamos descobrir, que há um encanto nosso de cada dia que só poderá ser descoberto, à medida em que nos empenharmos em não reter a vida.
Viver é exercício de desprendimento. É aventura de deixar que o tempo leve o que é dele, e que fique só o necessário para continuarmos as novas descobertas.
Há uma beleza escondida nas passagens… Vida antiga que se desdobra em novidades. Coisas velhas que se revestem de frescor. Basta que retiremos os obstáculos da passagem. Deixar a vida seguir. Não há tristeza que mereça ser eterna. Nem felicidade. Talvez seja por isso que o verbo dividir nos ajude tanto no momento em que precisamos entender o sentimento da tristeza e da alegria. Eles só são suportáveis à medida em que os dividimos…
E enquanto dividimos, eles passam, assim como tudo precisa passar.
Não se prenda ao acontecimento que agora parece ser definitivo. O tempo está passando… Uma redenção está sendo nutrida nessa hora…
Abra os olhos. Há encantos escondidos por toda parte. Presta atenção. São miúdos, mas constantes. Olhe para a janela da sua vida e perceba o pássaro encantado na sua história. Escute o que ele canta, mas não caia na tentação de querê-lo o tempo todo só para si. Ele só é encantado porque você não o possui.
E nisto consiste a beleza desse instante: o tempo está passando, mas o encanto que você pode recolher será o suficiente para esperar até amanhã, quando o pássaro encantado, quando você menos imaginar, voltar a pousar na sua janela.

Padre Fábio de Melo \ Pensador – UOL

 

Fotos: Gentileza de Luis Guerreiro e Fotógrafo Mira.  

13 comentários a “Obtidas na mesma janela…. 74 anos separam estas duas fotos

  1. Acho que na janela há uma diferença. Entretanto mudaram qualquer coisa nas janelas.

  2. A fotografia é mesmo uma maravilha da técnica. Se ela não existisse nem sabemos calcular como seria o mundo.

  3. Que bela comparação se pode fazer com estas duas fotografias. Se a 1ª fosse a cores era capaz até de ser mais bonita do que agora.

  4. Gostaria de voltar atrás para sentir a sensação de viver naquele tempo. É uma década que me atrai. Maria

  5. Não conheço esse local mas está muito interessante essa comparação. Saudações Leonides

  6. A perda de estetica é notoria o q prova q não estamos no caminho certo. Tomámos um rumo paralelo distorcido de formas desajeitadas sem caso em todos os aspectos visiveis, roupas, carros, arquitectura e vivencia

  7. Quem inventou FOTOGRAFIA merecia a nossa homenagem.O mundo seria bem diferente.

  8. Gostei desta comparação fotográfica. Abraço para a malta de Loulé. Rodrigo

  9. Como poderam destruir tal edificio? Faz parte do Patrimonio Local, no maximo deveriam ter pensado numa restauração. Ainda assim, orgulho-me de mostrar aos meus amigos estrangeiros a parte historica onde se realiza o festival MED. Espero que aquela calçada continue ali, para sempre, perdida no tempo.

  10. O tempo não pára. Tudo está sempre em movimento à nossa volta. Aqui as cores deram outra vida à paisagem mas houve algumas mudanças consideráveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *