Os fotógrafos românticos……

Mercado de Loule - Fotógrafo António Cravilho.

Minutero - Santiago do Chile

Em Portugal aos fotógrafos ambulantes também se dava o nome de «a la minute». No Brasil chamavam-lhes os « lambe-lambe». Eis uma pequena descrição desses velhos retratistas ambulantes

que povoavam as praças, largos ou lugares turisticos das nossas vilas e cidades :

*******************************************************************************

“Nas primeiras décadas do século XX surgiram os fotógrafos ambulantes, chamados lambe-lambe, que trabalhavam nas praças e parques fotografando as famílias, casais de apaixonados, reunião de amigos, etc. Eram quase sempre procurados para perpetuarem ocasiões especiais e familiares. Muitas pessoas também procuravam os lambe-lambe para tirar retratos para documentos do tipo 3X4. Atualmente, este ofício popular e bastante intuitivo está quase desaparecido, superado pelas facilidades tecnológicas, pela pressa em registar o instante sob a forma de imagem e por não ser possível trabalhar com foto colorida, pois a câmara usada por este tipo de fotógrafo é muito simples e não atende à função da exigência de um processo muito mais preciso e complexo. Mas, apesar disso, alguns lambe-lambe ainda resistem e são procurados, atendendo em domicílio, para fotografar noivas, batizados, aniversários e casamentos. A máquina dos lambe-lambe é conhecida entre eles por máquina-caixote, por ser semelhante a um pequeno caixote. São externamente revestidas com couro cru, madeira ou metal. Há ainda a camisa preta, espécie de saco negro pendurado na máquina, com três aberturas: dois orifícios para os braços e um para enfiar a cabeça na hora de bater e revelar as fotografias. A função da camisa é proteger as fotografias de qualquer tipo de claridade.

A máquina é utilizada para tirar fotografias e serve também para mostruário. Suas laterais são cobertas de fotos. Todo fotógrafo lambe-lambe estende próximo à máquina uma cordinha onde coloca as fotos para secar. Num balde de plástico contendo água limpa, ele lava as fotos quando retiradas do fixador e revelador. Uma tesoura é essencial para separar as fotografias e acertar o tamanho a gosto do freguês. Há ainda um paletó e uma gravata para serem emprestados aos jovens que não dispõem dessas peças.

Existem algumas versões que explicam a origem do termo lambe-lambe. O historiador Boris Kossoy, em O Fotógrafo Ambulante – a história da fotografia nas praças de São Paulo explica algumas delas. Segundo alguns, lambia-se a placa de vidro para saber qual era o lado da emulsão. Outros diziam que se lambia a chapa para fixá-la. Porém a origem mais viável parece estar ligada ao processo da ferrotipia: depois de feita a revelação, o fotógrafo lambia a chapa de ferro, coberta por uma camada de asfalto, fazendo com que a imagem se destacasse do fundo preto pela ação do cloreto de sódio presente na saliva. “

…………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte – Edukbr.com.br

Fotos : Fotógrafo ambulante « Um minutero» como lhe chamam em Santiago do Chile

Fotógrafo ambulante de Loulé chamado António Cravilho.

 

 

13 comentários a “Os fotógrafos românticos……

  1. Estão mesmo no fim. Uma digital tira mil fotos. Como os tempos mudaram. Se encontrar algum fotografo destes não deixarei de tirar uma foto.

  2. Quan do fazia anos lá ía ao fotógrafo do Largo tirar uma foto.Que pena estas pessoas não terem possibilidade de fazer a sua arte mesmo nestes tempos em que tudo é rápido mas diferente do a la minute. Manuel Ziffer

  3. Havia dois em Faro pelo menos mas há muito que não os vejo e não devem ter deixado seguidores. O mundo da fotografia hoje é qualquer coisa de impensável há uns anos atrás. Jose Jorge

  4. Ainda guardo algumas fotografias dessas para BI… a preto e branco …com cara de mauzinho. Sousa

  5. Nunca vi nenhum destes fotógrafos em nenhuma praça ou rua. Devem ter desaparecido há pelo menos mais de trinta anos . Ana Bela

  6. Ainda haverás no Algarve algum fotógrafo deste tipo ? Se alguém souber gostaria de ser informada . Obrigada. Lalita

  7. Estamos numa época em que a fotografia está em todo o lado e ao alcance de qualquer mão. Num simples telemóvel se consegue obter por vezes boas fotos. Maria Jose

  8. Tenho fotos em casa de meus pais em bilhetes de idendidade antigos. Também tiravam com cavalinhos a meninos e meninas nos jardins. Hoje até os telemóveis tiram regulares fotografias M a r g a r i d a

  9. Já pouco se vêm nas ruas das nossas cidades e vilas. Hoje qualquer telemóvel tira fotografias sem fim. Tudo mudou muto nesta coisa da fotografia. Helde

  10. Fui várias vezes. Até para BI tirei embora não tivesse a qualidade das fotos de estúdio.

  11. Ainda hoje estive a ver duas fotos dos meus pais tiradas num desses fotógrafos h´+a mais de cinquenta anos. Começam a ficar amarelecidas como é natural. Allan

  12. Também tenho duas fotos tiradas não por este para por um outro fotógrafo de Faro . Manoel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *