POEMA DE NOVEMBRO

vento Vladimir Kush

Para esta página de poesia de Novembro, escolhemos hoje, um entre os muitos belos poemas da obra dessa genial poetisa de Vila Viçosa, de nome Florbela Espanca .

Para ilustrar a página deixamos aqui este não menos belo quadro do pintor russo Vladimir Kush.

A nossa casa, Amor, a nossa casa!
Onte está ela, Amor, que não a vejo?
Na minha doida fantasia em brasa
Costrói-a, num instante, o meu desejo!

Onde está ela, Amor, a nossa casa,
O bem que neste mundo mais invejo?
O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa?

Sonho... que eu e tu, dois pobrezinhos,
Andamos de mãos dadas, nos caminhos
Duma terra de rosas, num jadim,

Num país de ilusão que nunca vi...
E que eu moro - tão bom! - dentro de ti
E tu, ó meu Amor, dentro de mim...

                          Florbela Espanca

18 comentários a “POEMA DE NOVEMBRO

  1. Temos poetas admiráveis, pintores admiráveis, escritores admiráveis, gente simples admirável. Somos um grande país apesar de alguns velhos do Restelo que tentam a todo o custo descredebilizar esta Nação que se chama Portugal. Também sou admirador dessa grande mulher alentejana. Se me é permitido gostaria de transcrever um dos poemas de que gosto muito e de há muito. Uma boa noite.
    Lágrimas ocultas

    Se me ponho a cismar em outras eras
    Em que ri e cantei, em que era querida,
    Parece-me que foi noutras esferas,
    Parece-me que foi numa outra vida…

    E a minha triste boca dolorida,
    Que dantes tinha o rir das primaveras,
    Esbate as linhas graves e severas
    E cai num abandono de esquecida!

    E fico, pensativa, olhando o vago…
    Toma a brandura plácida dum lago
    O meu rosto de monja de marfim…

    E as lágrimas que choro, branca e calma,
    Ninguém as vê brotar dentro da alma!
    Ninguém as vê cair dentro de mim!

    Florbela Espanca

  2. Esperem pela Lila e vão ver o quanto ela “ama” Florbela Espanca. Clato que também gosto muito de poesia e posso dizer que foi com a Lila que aprendi a gostar. Cravo

  3. Esperem pela Lila e vão ver o quanto ela “ama” Florbela Espanca. Claro que também gosto muito de poesia e posso dizer que foi com a Lila que aprendi a gostar. Cravo

  4. A minha concordãncia vai em pleno com o/a Goncinha!!! Temos muito, mas muito de bom … e não serão meia dúzia de … … que … … os velhos do restelo limitavam-se a falar … infelizmente temos joio que se confunde com o trigo … O post é de poesia, e da incomparável F.E. … a Cravo já disse tudo … esta mulher é um livro aberto 🙂
    … apenas um excerto …

    Ó meu País de sonho e de ansiedade,
    Não sei se esta quimera que me assombra,
    É feita de mentira ou de verdade!

    Quero voltar! Não sei por onde vim…
    Ah! Não ser mais que a sombra duma sombra
    Por entre tanta sombra igual a mim!

    Palma, bom casamento este entre a Florbela e a ilusão … surrealista do Kush … Bom fim de semana, um abraço amigo.

  5. Ser poeta é ser mais alto !
    É ser maior do que os homens…..
    Esta Florbela é das maiores ! Tem um estilo único embora para as gentes de hoje que não sentem a paixão à antiga e é natural, estamos noutros tempos, ela é e bem, admirada em muitos outros países sobretudo o Brasil onde se ama a poesia e que tem nas suas entranhas muitos e muitos bons poetas.

  6. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse à minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera.
    in A Descoberta do Mundo
    Clarice Lispector

  7. CRAVO: Ainda bem que aprendeu a gostar da Florbela e certamente de outros grandes poetas, com a nossa Liliana. É mulher de bom gosto rsss. Como aliás todos nós rsssssss os que já passámos dos 35 rsss há uns aninhos. Os anos trazem-nos também mais saber, sensibilidade e maturidade kkkk não será ? \\\\ LILIANA: Que belo casamento este entre o surrealismo do nosso Russo Pintor e o amor trágico da querida Florbela. Há muitos anos que adoro a sua poesia, tal como a Cecília Meireles, o António Nobre o Guerra Junqueiro, Pessoa, a Natália Correia e muitos outros. Numa próxima ida a Lisboa quero visitar o Parque dos Poetas em Oeiras que dizem estar um espaço lindíssimo.

    Mais alto, sim! mais alto, mais além
    Do sonho, onde morar a dor da vida,
    Até sair de mim! Ser a Perdida,
    A que se não encontra! Aquela a quem

    O mundo não conhece por Alguém!
    Ser orgulho, ser àguia na subida,
    Até chegar a ser, entontecida,
    Aquela que sonhou o meu desdém!

    Mais alto, sim! Mais alto! A intangível!
    Turris Ebúrnea erguida nos espaços,
    À rutilante luz dum impossível!

    Mais alto, sim! Mais alto! Onde couber
    mal da vida dentro dos meus braços,
    Dos meus divinos braços de Mulher!

    Uma boa noite de sexta. Palma

  8. João Martins: Penso que gostou mais do trabalho do Kush do que do poema. Talvez este tipo de poesia não lhe diga muito. É perfeitamente natural. Mas até posso estar enganado…rs. Um bom fim de semana. Palma

  9. Arco e Juca: Obrigado pela visita e também sou dos que entende que não há idades para o amor ou para amar. Boa noite – Palma

  10. Florbela Espanca não se ligou claramente a qualquer movimento literário. Está mais perto do neo-romantismo e de certos poetas de fim-de-século, portugueses e estrangeiros, que da revolução dos modernistas, a que foi alheia. Pelo carácter confessional, sentimental, da sua poesia, segue a linha de António Nobre, facto reconhecido pela poetisa. Por outro lado, a técnica do soneto, que a celebrizou, é, sobretudo, influência de Antero de Quental e, mais longinquamente, de Camões

    Jornal da Poesia

  11. Interessante contributo para a Pedagogia da Poesia, da estética e dos autores marcantes da escrita portuguesa numa época em que tão mal se escreve a diária.
    Parabéns!

  12. Erros meus, má fortuna, amor ardente
    …………………….
    …………………….
    Que para mim bastava amor somente.

    É prof. Almeida … outros tempos …

    Palma, aos 35 já levava vantagem na predileção … sou jurássica no gosto eheheheh … enfim … cada doido com sua mania … Bom fim de semana 🙂

  13. Almeida: A Lila estava à espreita e não deixou mais uma vez fugir a lebre rssss……Erros meus….. tantos e desperdiçados………\\\\Lila: Que bom ter umas doses de loucura saudável. Não da outra que tanto faz sofrer tantos seres humanos. Uma boa noite de sábado. Palma

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *