Romy Schneider ou a inesquecível “Sissi “

Quem gosta de cinema e, principalmente da sua história envolvendo os grandes astros que fulguravam na nossa imaginação, certamente terá sempre um olhar de admiração sobre aqueles que alegraram as nossas idas aos cinemas só para vê-los. São muitos. Se é para lembrar algum fato ocorrido em nossa vida, certamente estará relacionado a um filme visto em algum lugar do passado. Pensando assim lembro-me de Romy Schneider (1938-1982) aquela linda atriz, de origem austríaca (fazendo trinta anos de sua morte, em 2012).

Os fãs sempre se hão-de lembrar de “Sissi” (Sissi, 1955), a eterna rainha da Áustria, numa produção bastante açucarada, a léguas de distancia do fato real. Mas Romy estava perfeita, no frescor dos seus 17 anos. O filme lançou-a mundialmente e teve outras duas continuações, “Sissi, a imperatriz”, de 1956 e “Sissi e o seu Destino”, de 1957, todos com muito sucesso. Mas a atriz queria voar alto e logo deixou para traz a figura angelical que a marcaria para sempre.

A Sua beleza sempre foi o fator marcante da sua figura nas telas. Estrelou dezenas de produções até o ano da sua morte (morreu de parada cardíaca, aos 43 anos). Entre outros filmes que interpretou, lembro aqui: “Christine”, “O Sol por Testemunha”, “Boccaccio’70″ (segmento de Luchino Visconti), “O Processo”, “O Cardeal”, “O que é que há, gatinha?”, “A Piscina”, “Coisas da Vida”, “O Assassinato de Trotsky”, “Cesar e Rosali”, “Ludwing”, “A Herdeira”, “Um Homem, uma Mulher, Uma Noite”, “Cidadão sob custódia”, etc…

Vencedora de vários prémios internacionais Romy Schneider será sempre lembrada pelos seus inúmeros admiradores, quer pelas suas interpretações quer pela beleza de que era possuidora.

**** Fonte: Cinema é magia – Al. Hitch

Foto: gentileza de Luís Furtado

6 comentários a “Romy Schneider ou a inesquecível “Sissi “

  1. Recordo-me que levava as minhas irmãs ao cinema para ver os filnes da série Sissi. Era um azáfama lá em casa em noites de apresentação destes filmes. E até eu que não era apreciador do género já começava a ficar entusiasmado. Enfim, coisas da 7ª Arte que muitos guardm no coração.

  2. É mesmo in esquecivel. Nos meus tempos de juventude estes filmes enchiam-nos de fantasia própria desta idade. E a actriz era uma beleza.

  3. è mesmo verdade que o colorido destes filmes encantavam o pessoal. E a beleza da Romy S. era qualquer coisa de deslumbrante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *