RUAS DA MINHA INFÂNCIA – 4

UMA RUA DUAS ÉPOCAS

A pintura e a fotografia que hoje trazemos a esta página, diz respeito a uma velha rua da Louletania. Trata-se da Rua Garcia da Horta por onde passei muitas vezes durante a minha infância a caminho da casa de um tio que me era muito querido, mas também é a Rua onde nasceu o nosso caro amigo/pintor Luís Furtado. Entre o quadro pintado nos anos cinquenta e a fotografia tirada há poucas horas há uma diferença considerável. Uma velha e bela horta que existia ao lado esquerdo nas imagens, foi tomada de assalto por vários blocos de apartamentos. O caminho estreito deu lugar a uma estrada larga pejada hoje de carros estacionados, igual afinal ao que acontece em quase todas as cidades do país. O tempo não pára. E com ele…. as boas e más mudanças acontecem quase sem nos apercebermos delas.

A pintura a óleo é de autoria do Luís Furtado e a fotografia foi obtida esta tarde para que se possa fazer uma pequena comparação com a Velha Rua Garcia da Horta de outros tempos.

Texto: Palmagyg7yuh jok

13 comentários a “RUAS DA MINHA INFÂNCIA – 4

  1. Passei muitas vezes a essa a que se referem a foto e o óleo do Furtado. Fez-me lembrar uma canção do Paulo de Carvalho e que aqui deixo para ajudar ao tema. Uma boa noite. Está frio. M.Paul

    FLOR SEM TEMPO

    NA MESMA RUA
    NA MESMA COR
    PASSAVA ALEGRE
    SORRIA AMOR
    AMOR NOS OLHOS
    CABELO AO VENTO
    GESTOS DE PRATA
    DE FLOR SEM TEMPO
    É DELA O MUNDO
    É A CERTEZA DE VIVER
    CANTA O SOL
    QUE TENS NA ALMA
    ÉS A FLOR DE SER FELIZ
    OLHA O MAR
    DE TARDE CALMA
    OUVE O QUE ELE DIZ

    FOI COMO O VENTO
    SOPROU UM DIA
    PASSAVA ALEGRE
    ALGUÉM A VIA
    É NOSSA A VIDA
    É A CERTEZA DE TE VER
    CANTA O SOL
    QUE TENS NA ALMA
    ÉS A FLOR DE SER FELIZ
    OLHA O MAR
    DE TARDE CALMA
    OUVE O QUE ELE DIZ

    Autor: JOSÉ A. SOTTOMAYOR, cantada por: PAULO DE CARVALHO

  2. Bonita pintura que nos pode mostrar como as coisas e as pessoas vão dando lugar a outras. É uma lei que ninguém jamais poderá mudar.

  3. Não conheço essa rua mas tenho poeminha para deixar em homenagem:

    Lá na minha rua eu podia ser tudo…
    Bandida, mocinha, princesa, rainha…
    E quando vencia qualquer brincadeira,
    Eu era aclamada de “a heroína”!

    Lá na minha rua eu podia ser tudo
    Ter asas, voar, ser um passáro…
    Em árvores pousar, construir o meu ninho,
    Cair, machucar e voltar a sonhar.

    Ser bruxa malvada, uma feiticeira,
    Pular e gritar ao redor da caldeira
    Ver olhos de espanto de uma criançada,
    Fugindo correndo da tal caldeirada.

    Lá da minha rua eu podia ver tudo,
    Um céu pintadinho de estrelas-cadentes,
    A lua pertinho do final da rua,
    Piscando, sorrindo, mostrando-se nua.

    Lá na minha rua deixei registrada
    Uma infância feliz, onde podia tudo,
    Rua de pedrinhas, de luz, de brilhantes…
    Rua dos meus sonhos, meu marco, meu mundo, de sonhos constantes!!!

    Carmén Lúcia

  4. O Luis Furtado tem mais quadros sobre Ruas de Loulé ? Nao cheguei a visitar a exposição por desconhecimento e talvez por não ter passado à rua naquele período.

  5. É interessante que na fotografia pode-se ver nitidamente que a Araucária do convento Espírito Santo parece um fantasma tal os cortes que levou a mandado da nossa Câmara Municipal. É vergonhoso que se faça uma limpeza à arvore mais bonita de Loulé sem o mínimo de respeito pela estética da dita árvore. Houve nos Blogs Sebastião e Mac Blog há alguns dias uma discussão sobre o caso. Por isso chamei a atenção aqui para o que se pode ver na foto. Boa semana de trabalho ou de descanso. Zeca

  6. Caros amigos. : O Poema da Flor sem tempo é bem conhecido dos que seguiram a carreira do Paulo de Carvalho. Bela canção ainda nos dias de hoje \\\ O poema da Carmén Lúcia vem bem a propósito quando se fala desta rua, que tal como a dela, serviu de espaço de muitas brincadeiras para quem nela viveu.\\
    O Luís Furtado tem alguns quadros com outras ruas de Loulé e que estiveram em exposição no Convento Esp. Santo\\\\ A araucária do Convento parece na verdade um fantasma. Embora eu não seja um entendido na matéria penso que poderia ter sido feita uma limpeza de outra forma à nossa mais bela. Uma boa noite a todos os visistantes desta pequena e humilde sala. Palma

  7. VRRROOOM!!! A “minha” rua ainda está no mesmo sítio? Estava acordado… o que mais me impressionou foi aquele som estranho, qual monstro a lançar raios e coriscos,rsrs. foge… o abalo foi de tal ordem por aí, que até abriu uma nova rua criando um cruzamento, daí, a existência de um sinal STOP… esse sinal não dá para entender quando a pouca distância, (bem visíveis), estão sinais de proibição… é a doença da poluição paisagística. Palma, essa já não é a nossa Rua, até na cor, a foto, está “friorenta” e com muita lata… pena foi o Palma não ter recuado até à pequena subida, teria dado um melhor ângulo comparável ao quadro…\\\ Existem pelo menos 9 quadros prontos sobre Loulé + o Manel da baracinha, outros 4 estão por acabar, entre eles, a “minha” Rua vista do lado contrário… pode ser que os acabe para o próximo verão se até lá, não houver um treme treme mais forte,rsrs. Inté. L.F.

  8. João Martins: Na realidade senti o tremor que de certo modo ainda durou algum tempo. E a gente fica naquela espectativa de… o que é que vem a seguir…… Esperemos que a coisa tenha acalmado. Abraço – Palma

  9. Luís Furtado: È verdade que o que me alertou foi aquele ruído estranho vindo das entranhas da terra e que no princípio me parecia um qualquer veiculo louco às duas da manhã… mas depois depressa percebi que o chão balançava. E nestas alturas a gente sente-se impotente perante as forças da Natureza. O de 1969 é que foi mais assustador tendo caído algumas casas cá por Loulé noutras zonas do Algarve. Lembro.-e perfeitamente de que após o tremor de terra dessa altura a Rua das Lojas estar cheia de gente como num qualquer sábado de manhã. É que saíu tudo à rua. E o ruído aí ainda foi maior. Enfim cá continuamos.\\\ A foto da sua rua nao a tirei mais acima porque haviam outros veículos maiores e que prejudicavam a vista.\\\ Já sabe que tem trabalho de verão para fazer. Acabar esses quadros é o que o pessoal pelo jeito deseja dadas as opiniões. Abraço e pouco «tremedoiro » rsdss. Palma

  10. Xi Palma, vim agora do sótão onde andei a vasculhar parte do Baú… nem imagina as fotos que encontrei. De entre elas está a “menina Luísa”, e duas com a rapaziada da época onde só reconheço o Gonito, o Amílcar “charrinho”, e o José Maria pequenino, o tal que não quis ter uma boa carreira futebolística… a mais famosa de todas é a equipa do Farense nos tempos áureos tendo o mei pai como guarda redes… vou pedir ao Jr. para as tratar no computador, depois mostro-lhas, pode ser que o Palma reconheça a moçada. Inté. L.F.

  11. … Se essa rua se essa rua fosse minha
    Eu mandava eu mandava ladrilhar
    Com pedrinhas com pedrinhas de brilhantes
    Para o meu para o meu amor passar …

    Passado e presente … assim se compõe as nossas vidas … sem ser da vila (?!) , mesmo assim, essas ruas dizem-me muito …

    Pois é, a terra tremeu … eu acordei, mas não saí da cama … fiquei à espera … parece que esta é uma das duas reações … não ouvi o barulho desta vez, mas recordo esse som de outros tempos nesta situação, em Salir … é horrivel, não se esquece jamais …

    Palma … o seu TM não tocou? … era eu … estava por essas bandas … no problem … depois falamos.
    Uma noite descansada e um abraço

  12. Conheço perfeitamente essa rua. Do lado esquerdo está completamenter modificado e feio mas o lado direito está maios ou menos como estava. Precisava erade melhores condições para as pessoas que ali vivem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *