Secas e pedidos de ajuda aos Céus

Neste inverno bem chuvoso por que estamos passando, lembramos aqui uma época de grande seca nestas terras de Loulé, ocorrida no ano de 1896. Vale a pena ler as duas pequenas notícias do jornal

O Louletano” da época. Recorde-se que tal como naquele tempo, também há alguns anos atrás, quando de uma grande estiagem no Algarve, se faziam peregrinações à noite ao santuário de Nª Sª da Piedade, padroeira dos louletanos, suplicando aos céus que a chuva caísse nas terras ressequidas

ªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªªª

Sobre a grande seca de 1896 escrevia-se no Louletano desse tempo:

«A grande estiagem tem prejudicado imensamente os campos que se encontram num lastimoso estado.

Os lavradores já não têm esperanças de ao menos salvar a semente que lançaram à terra.

Durante a semana têm vindo na noite diferentes grupos de homens e mulheres cantando pelas ruas e pedindo água; dirigem-se depois para a igreja de S. Sebastião, onde se acha a imagem da Senhora da Piedade e ali fazem novas súplicas para que Deus mande água para os campos.

Na mesma igreja têm-se feito preces ad petendum pluvia.»


Jornal O Louletano, 19 de Abril de 1896

«Na Segunda feira de tarde saiu da igreja de S. Sebastião d’esta vila uma procissão de penitência para implorar ao Altíssimo a graça de algumas chuvas para os campos cujas sementeiras eram consideradas quasi perdidas.

Abria com a irmandade da misericórdia, seguindo-se-lhe as do Santíssimo e Almas das duas freguesias , a da Nossa Senhora da Conceição, a do Senhor dos Passos e a da Ordem Terceira de S. Francisco conduzindo as imagens de Stº Elias , Nossa Senhora da Piedade e Senhor dos Aflitos.

Nunca vimos procissão tão concorrida; é calculado em mais de 8000 o número de pessoas que se incorporaram e acompanharam a referida procissão.

Desde que saiu até que recolheu conservaram-se cerrados os estabelecimentos.»

Fonte : Engº Luís Guerreiro a quem agradecemos a amabilidade.

Foto : Imagem da Mãe Soberana de Loulé – Ano 1898 ( Arq. Louletania )

(Procissão: Fototeca da CML )

 

14 comentários a “Secas e pedidos de ajuda aos Céus

  1. Ainda fui com a minha mãe em míudo a uma dessas pro9cissões à Senhora da Piedade quando houve uns anos de seca há 25 ou 26 anos atrás.

  2. Belas fotografias centenárias. Hoje quando hé anos de seca tanto no Brasil como em Portugal ainda se fazem procissões a pedir que chova.

  3. A Coroa da imagem parece exageradamente grande para o tamanho da mesma. Será da fotografia ? É esta imagem que os homens levam aos ombros cerro acima na Páscoa ?

  4. Tanata gente em alta prece
    Pedindo chuva em voz alta
    Como se Deus não soubesse
    Quando a chuva nos faz falta.

    QUadra do António Aleixo feita quando via passar as procissões pedindo chuva.

  5. Neste post dedicado à Senhora da Piedade fica aqui esta oração para os interessados:

    Ó Maria,
    Ó Mãe fecundíssima de toda a piedade,
    pelas lágrimas que derramastes junto à Cruz do vosso Filho,
    pela dor que trespassou o Vosso coração amante junto à Cruz,
    donde por nós pendia morto o Vosso querido Jesus,
    dai-nos a verdadeira piedade na terra, a fim de que,
    unidos e sempre unidos a essa Cruz,
    atravessemos sãos e salvos esta pobre mansão de exílio,
    com os olhos fitos e sempre fitos no Céu.

    (Retirado do livro HORAS DE PIEDADE, 29ª edição, 1958)

  6. HOje é então o dia da grande Festa de Loulé. Nem as noites Brancas nem outras que tais são representativas da nossa Terra. Viva a Mãe Soberana. Mãe de todos os louletanos sem excepção.

  7. Ainda bem que nestes últimos anos não tem havido seca. A água é o bme natural mais precioso. O que não dirão os africanos.

  8. Nesse Alentejo resequido em muitos verões, as mulheres costumavam fazer essas preces para que a água caísse do céu..

  9. Desconhecia que faziam estas procissões nessa época. Sempre aprenendo. Allan

  10. A seca já se está a fazer sentir por esses campos fora. A água começa a ser escassa. Que o Outono nos traga bastante.

  11. Nos anos 40 houve uma grande seca no Algarve, assim como a deste ano, em que íamos rezar o terço a Nossa Senhora de Fátima, para que chovesse!
    Isto passou-se na freguesia de Salir,donde eu sou natural.

  12. A fé quando aparecem as aflições….vem à tona. Não sei é se é mesmo fé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *