Um artesão a não esquecer

DSCN4035

UM ARTESÃO

Foi um excelente artesão autodidacta e amante das chaminés da sua terra.

Mestre Eduardo, assim lhe chamavam os amigos e compradores das suas belas chaminés em miniaturas, faleceu há já alguns anos. Mas agora que por estes dias falámos do encerramento da Drogaria Lyz, estabelecimento em que ele colocava à venda estas pequenas maravilhas moldadas com muito talento e amor à terra, aqui estamos em jeito de hum ilde homenagem lembrando a sua obra que se encontra espalhada um pouco pelas várias partes deste mundo.

Não deixou seguidores e o seu espólio constituído por moldes e algumas ferramentas encontra-se depositado, por oferta dos seus familiares, num dos arquivos da Câmara Municipal.

Aqui fica em fotografia, um dos muitos modelos de chaminés algarvias que o artesão fabricou ao longo da sua vida.

Texto e foto: Palma

8 comentários a “Um artesão a não esquecer

  1. As chaminés algarvias, além da utilidade normal desempenhavam também um papel ornamental, tomavam as formas mais variadas, desde as que apresentam simples ranhuras, às que ostentam complicados e belos rendilhados. Muitas delas assemelhavam-se a miniaturas de torres ou dos minaretes árabes. Podiam ter secção circular, quadrada ou rectangular, mais simples ou mais elaboradas, mas tinham sempre uma forma bastante artística . Há-as de todos os modelos e para todos os gostos, só tendo como limite a imaginação de quem as faz, eram uma prova de perícia para cada pedreiro e um motivo de orgulho para qualquer proprietário. In (Pontos de vista)

  2. É um trabalho bem bonito esse do Mestre Eduardo.Dá gosto olhar a uma chaminé com essa perfeição. As que habitualmente existem por aí como recordações para turistas,nas lojas de artesanato são algumas de uma mau gosto atroz certamente made in china.
    Nina

  3. Belo exemplar de chaminé.Na verdade como diz a Nina pouco se vê por aí obras dessa beleza. Chaminés feitas para turista pouco exigente é o que se encontra mais e são verdadeiros atentados ao bom gosto. Será que com os moldes existentes ninguém poderia dar continuidade à obra do nosso Mestre ?

  4. Bom dia por aí; bonita chaminé Palma… então não é que adquiri algumas chaminés do Mestre Eduardo e não tenho nenhuma!… tá-se mesmo a ver… recordação da Terra para os amigos, né? \\\ Desconfio que esta época, (agora que sou empresário,rsrs) vou mandar o “treinador” às urtigas, estou cansado dos maus resultados da equipe… os jogadores são de uma bandalhice extrema e assim não dá. Vou contratar o Rancho Infantil de Loulé para um baile mandado para ver se animo a malta, o cenário está feito desde 97, e até tem uma chaminé… se o “treinador” voltar a rejeitar-lo, não sei o que poderá acontecer, não sei não… dá-me a travadinha e quem se despede sou eu! Está uma manhã de nevoeiro, não chore não, a vida, é um grande Carnaval. Inté. L.F.

  5. Perfeita essa chaminé. É que há por aí muitas mal feitinhas e mal acabadas. É preferível essas lojas não venderem nenhuma do que se levar para casa uma recordação imperfeita. Kali

  6. Que pena este senhor não ter deixado herdeiros na sua profissão. É uma perfeição esta pequena chaminé,

  7. Agora já existem no mercado embora pequenas, chaminés com perfeição nos acabamentos. Mas seria interessante colocar estas no mercado. ZZ

  8. Nesse tempo não havia portefólios e os pedreiros chegavam ao pé do dono da casa e perguntavam:
    Quer uma chaminé de quantos dias?
    E o dono da casa mediante a bolsa ou a vontade de gastar muito ou pouco
    dizia se queria uma chaminé de poucos dias de trabalho ou muitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *