Vem aí a época balnear – 1

Agora que estamos a poucos dias do início da época balnear na nossa província, trazemos hoje uma fotografia de um dos autocarros que faziam o transporte dos veraneantes do interior para as praias costeiras, nomeadamente para a praia mais próxima da sede do concelho de Loulé, a Praia de Quarteira.

Na realidade, nas décadas de cinquenta e sessenta, foi a altura em que a procura por essas zonas se tornou mais expressiva. Eram diminutas as famílias que possuíam veículo automóvel próprio e assim, no caso da população louletana, a Empresa de Viaçao Algarve – EVA, era a que transportava diáriamente grande número de passageiros que pretendiam gozar de um merecido descanso à beira mar. Quarteira passou a ser durante o Verão a nossa Saint Tropez tanto para os mais abastados como para os mais humildes.

Quem não se recorda das imensas filas, principalmente aos domingos e logo a partir das sete da manhã para conseguir um bom lugar na camioneta ( EVA ) ? Sacos com as merendas, toldos, boias, baldinhos e um sem número de coisas que as pessoas achavam necessárias para que o dia fosse em pleno, enchiam até a cima as tais camionetas que em certas alturas do percurso pareciam rebentar pelas costuras tal o peso que acarretavam até à famosa estância quarteirense.

Na realidade só as gerações que viveram essa época lembram com precisão o que aqui relato. As outra , as de hoje, certamente julgarão tratar-se de qualquer historieta de ficção.

Foto: Gentilmente cedida por Luis Guerreiro.

6 comentários a “Vem aí a época balnear – 1

  1. Ora aí está. Eu não vivi esses tempos mas cá em casa ouvi muitas vezes falarem dessas corridas para as camionetas como hoje o fazem no Metro em Lisboa ou noutra grande cidade. Tempos bem diferentes esses apesar das perdas de coisas conquistadas depois do 25 de Abril.

    Elza

  2. Que belo exemplar de autocarro dos anos 30 \\ 40. Eram tempos de puira miséria mas a gente contentava-se a ir à janela fazendo adeus a quem passava. Helder TT

  3. Adoro fotos destas épocas, talvez por as não ter vivido. Um abraço para toda essa malta. Vimeiro

  4. E viva a Caminta da Carrêra. E lá íamos por aí fora aos solavancos entre uma marmita com peixe frito e uma senhora gorda desgrenhada e ja cansada às 8 da manhã.

  5. Fico sempre nostálgico quando me lembram estes tempos passados.
    Mas é uma nostalgia que gostaria de deixar ficar estas memórias tal como são. Memórias de outros tempos.

    Miguel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *